Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2011

Uma questão de Políticas Públicas!

A questão das drogas tem dois aspectos importantes que precisam ser
enfrentados. De um lado, a produção, comercialização e a oferta. De outro lado, o consumo dessas substâncias e as suas conseqüências. Estas facetas convivem numa relação de interdependência. A produção ocorre porque existe uma demanda que se mantém, estimulada pela produção. Diante disso, podemos afirmar que para enfrentar a questão das drogas essas duas facetas precisam ser enfrentadas na mesma proporção, tanto pela sociedade como pelo Estado.
Vários estudiosos do assunto alertam que as políticas antidrogas precisam romper com a perspectiva exclusivamente repressiva e investir maciçamente em ações preventivas. São unânimes em afirmar que a repressão por si só, não é capaz de prevenir o uso indevido de drogas. Isto porque o consumo de drogas é uma prática que extrapola as condições de decisão e escolha das pessoas. Pode ser feita de forma ocasional, sem nenhuma determinação orgânica, mas também pode ocorrer por determ…

Sobre a vida!

As vezes parece que é muito mais fácil ser criança!
Sem as responsabilidades, sem as cobranças, sem os deveres... apenas criança!
Na tarefa árdua de crescer, brincar e observar as nuvens que transpassam o céu como bolas de algodão...
Sem a necessidade de tudo ter que pensar primeiro nas consequências; sem ter que desconfiar ou mesmo desqualificar.
Não sei exatamente em que ponto perdemos nossa inocência, nossa capacidade de enxergar o mundo de forma mais leve, mas percebo que assim o fazemos ininterruptamente o resto de nossos dias.
E nos tornamos quase que automáticos em nossos "bom dia"; "boa tarde"; "como vai?".
Apenas o fazemos por mero hábito ou sequer nos damos conta de quanto tempo não o fazemos.
Perdemos muito rápido a espontaniedade!
Cingimos nossa personalidade com a falsa ideologia de que sabemos mais que os outros; somos adultos; civilizados; portanto estamos acima de quaisquer emoções.
Quão bom é ser criança!
Quão bom é subir no escorregador…

Direitos Humanos Para Humanos Direitos!

Conceito e Características


O conjunto dos Direitos Humanos Fundamentais visam garantir ao ser humano, entre outros, o respeito ao seu direito à vida, à liberdade, à igualdade e à dignidade; bem como ao pleno desenvolvimento da sua personalidade. Eles garantem a não ingerência do estado na esfera individual, e consagram a dignidade humana. Sua proteção deve ser reconhecida positivamente pelos ordenamentos jurídicos nacionais e internacionais.

As principais características dos direitos fundamentais são:

Imprescritibilidade: os direitos humanos fundamentais não se perdem pelo decurso de prazo. Eles são permanentes;

Inalienabilidade: não se transferem de uma para outra pessoa os direitos fundamentais, seja gratuitamente, seja mediante pagamento;

Irrenunciabilidade: os direitos humanos fundamentais não são renunciáveis. Não se pode exigir de ninguém que renuncie à vida (não se pode pedir a um doente terminal que aceite a eutanásia, por exemplo) ou à liberdade (não se pode pedir a alguém que…

A Síndrome de Burnout. Você sabe o que é isto?

Hoje, nossa conversa baseia-se em um assunto sério, porém, um tanto quanto desconhecido para alguns, esta leitura trará informações sobre a Síndrome de Burnout, que infelizmente, a cada dia, faz novas vítimas.

Falando em termos técnicos, a Síndrome de Burnout designa um estado de exaustão prolongada e a diminuição do interesse, especificamente pelo trabalho. O termo Burnout vem do inglês burn (queima) e out (para fora, até o fim) e na gíria inglesa ele é utilizado para identificar os usuários de drogas que se deixaram consumir pelo vício, esse termo foi criado pelo inglês Herbert Freundenberg, em 1974 e ao pé da letra, o "Burnout" pode ser traduzido como "Combustão Completa".

Em português, o Burnout é algo parecido com "perder o fogo", "perder a energia", é uma síndrome, na qual a vítima perde totalmente o sentido da sua relação com o trabalho, de tal forma, que as coisas já não importam mais e que qualquer esforço é inútil.

É um estado de profundo…