Você não Lembra!

Você não lembra dos dias e noites em que pensei em nós...
Estava ocupado demais, olhando o próprio umbigo!
Não consegue mensurar minha dor, minha lástima, minha imensa solidão.
Houve dias em que estar ao seu lado nada mais era do que estar só.
Era como olhar o infinito e perder-se em meio a multidão!
Chorei as tuas lágrimas... ri o teu sorriso.
Andei vagando por ai, seguindo teus passos; num desespero alucinado de quem ama incondicionalmente.
Não levei em conta os teus defeitos...
Desculpava cada um deles com olhar direcionado as tuas mixas qualidades...
Você não lembra...
Nunca percebeu a minha alegria, nem o meu lamento.
Nunca notou o quanto a tua presença enchia o meu coração de felicidade.
Céu e inferno compartilhados...
Vivi a desgraça dos teus beijos quentes e o embaraço do desejo a ruborizar minha face.
E no calor dos teus braços viajei em mundos desconhecidos!
Fui passageira, fui comandante e nada fui!
Mas você nem lembra...
Não estava em meu mundo, sequer me enxergava.
E minha dor somente crescia ao perceber teus passos em outros caminhos.
Era como areia a escorrer de minhas mãos...
Nunca penetrei na tua alma, nunca estive onde pensei estar!
Deixei que a minha mente vagasse em ilusões que somente os meus olhos contemplavam. 
O teu amor era miragem... dessas paisagens desérticas, onde ficamos sedentos demais para perceber a realidade.
As tuas palavras nada mais eram do que textos decorados, daqueles que nada dizem senão palavras soltas.
Você não lembra; mas eu lembro bem...
Cada dia, cada noite, cada minutinho...
Lembro da tua gargalhada solta, do teu modo jocoso de andar, a tua jactância em pensar que sempre  seria eterno!
Eu sonhei os teus sonhos como se fossem meus.
Vibrei com as tuas alegrias, os teus fracassos, amparei as tuas lágrimas, vivi os teus receios.
Fui tão somente tua que deixei de ser eu!
Mas agora eu sigo meus passos em outras direções...
Não me abstenho de mim, apenas não sofro por ti.
Descobri meus erros, minhas xulas investidas infundadas.
Desviei-me do teu doce veneno, do vício que você é!
Reinventei meus dramas, reescrevi meus desejos.
Não preciso de migalhas, sequer necessito seguir seu rastro para desvendar minhas próprias diretrizes.
Você feriu minha alma... feriu de modo profundo.
Rever a vida não foi fácil... mas eu me lembro de como era não saber como seria o amanhã!
Hoje eu viro a página!
Dou meus primeiros passos para longe de você, embora a lembrança insista em reviver!
Não me sinto só por estar sozinha...
Mas me sinto livre por saber estar viva!
E muito me alegra saber que você não lembra...
E caso um dia venha lembrar de mim,
Saiba que desejo que sejas feliz...
Não olho mais para trás!
Não leio notícias tuas...
Tua fragância já não exala em minhas entranhas.
Fiquei livre de você para agora estar repleta apenas de mim! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Sobre Abraços...