Teu Jeito

Eu me perco na imensidão do teu olhar
Percorro tuas curvas num instante de desejo
Embriago-me no aroma do teu perfume

Sou passageiro das minhas desventuras
Perdido no vácuo do teu jeito de andar.

Jeito matreiro, jocoso, felino
Jeito de quem sabe como pisar
Flutua, não anda!
Desliza, não toca...

Ama tão intensamente
Que penso ser amor, realmente
Teu jeito doce de acasalar.

Arranha, fere, machuca
Acalenta, aconhega
Refuta!

Arde nas entranhas teus gemidos
Grunhidos, não sei 
Ecoa em meus ouvidos
Teus suspiros, teus suspiros!

Perco-me, embriago-me, reencontro-me
Aaaaaah... que mal há ?
Se neste doce veneno
Consigo me eternizar.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Sobre Abraços...