Ensaio Sobre Essência.

Eu queria morar numa floresta onde o homem não habita
Onde a vida é mais florida, com ecos de leveza.
Onde pássaros cantam livres, voam sem medo
Onde o ruído das águas são canções aos ouvidos...
E o farfalhar das folhas dominam.
Queria o isolamento das cavernas mais profundas
Onde o homem nunca tenha pisado.
A certeza absoluta de que seria o meu refúgio
Onde nada nem ninguém pudesse expor os meus defeitos
Onde eu pudesse ser eu mesma, sem máscaras.
Queria ser tão livre quanto o vento
Que pode estar em qualquer lugar
A qualquer momento, em qualquer velocidade.
Ser suave, ser extrema, ser o que eu quisesse ser.
Mas, eu queria mesmo era poder habitar por entre as montanhas
Onde os raios do sol não alcançam o solo,
Assim como a névoa que a tudo envolve
Subir e descer vales e rios, córregos e cascatas.
Embrenhar-me entre trilhas nunca feitas,
Ser selvagem, ser parte da Mãe Terra.
Revolver-me em suas entranhas, deleitar-me nos seus mistérios.
Onde nada pudesse ser mais importante do que apenas viver.
Onde cada elemento fosse parte do meu ser.
Onde poderia estar pertinho de Deus e
Descobrir a minha natureza, desnudar-me da dor.
Correr com os leopardos, caçar com os ursos, nadar com os peixes
Desfazendo-me das angústias, do ego, do Eu.
Eu queria estar na essência de mim mesma, quando fui criada
Para saber-me livre das amarras do poder corrompedor
O qual os olhos anelam domínios e onde os lábios não exprimem Amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Sobre Abraços...