Mia, Mulher!

Forjei-me no aço das palavras
Obstinada, persistente
Fui louca, fui santa
Gritei, calei, fui além!
Parei, refleti, segui em frente
Fui mãe, fui  mulher, fui guerreira
Abandonei, reinventei
Novamente refiz os meus passos
Apaguei os meus rastros
Não dei ouvidos a solidão
Olhei para a vida
Destranquei meu coração!
Fui ousada, fui atrevida
Dei respostas, fui otimista!
Quis rasgar velhas ideias
Quebrei todos os parâmetros
Mulher que sou, destemida!
Venci os meus demônios
Um por um, eliminei
Escalei montanhas
Chorei, sorri...
Não deixei de acreditar
Fui tola, sagaz,
Numa confusão voraz
E em meio a tudo isso
Sobrevivi!
Sou parte do que fui!
Serena, forte, teimosa
Mulher de atitude
Sem medo de errar
Grata, amiga, irmã
Sangue quente, língua afiada
Amante da vida
Pela vida maltratada
Mas de mente aberta
Tendo na voz a minha espada!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Sobre Abraços...