Um Filho Amado

A dor e a delícia de uma jornada, só sabe quem vive...
O livro CARA DE LEÃO me ensinou tantas coisas... com ele, chorei, sorri, tive crises e sonhei alto!
Foram momentos inesquecíveis, de muitas lutas, muitas noites insones, muitos novos tropeços, amigos e inimigos pelo caminho. Muitos "Nãos"!
Foram dias complicados, tensos; mas que trouxeram também muitas alegrias.
Fui ao céu e ao inferno pelo sonho de me tornar uma escritora... por simplesmente acreditar que era possível realizar um sonho.
Ganhei o mundo nas asas da imaginação, fui premiada, fui criticada... mas sobrevivi.
Entre idas e vindas, decepções e armadilhas, encontrei reconhecimento e rejeição.
Mas no ínterim disso tudo, encontrei pessoas incríveis, que acreditaram que daria certo e que me deram as mãos para juntos trilharmos o árduo caminho.
Numa sociedade hipócrita, onde é preferível fingir que as coisas ruins somente acontecem no quintal do vizinho, eu estava infringindo as regras, ao tratar de violência à mulher e pedofilia de modo tão coloquial.
E num agravante tão estúpido que as vezes me irritava... diziam que eu era muito jovem para tratar de um assunto tão "pesado"... "Por que não escreve poemas?"
Por se tratar de uma produção independente, tive que percorrer todos os caminhos para comercializar...
Entendi os erros primários de um marinheiro de primeira viagem, vi os enganos, travei a batalha. E confesso, houve dias em que pensei em desistir!
Mas como? Já tinha o filho nos braços... como descartá-lo?
Seria como desacreditar de mim mesma.
Outro ponto crucial que tive que enfrentar, foi o fato de que o livro falava pelo ponto de vista da vítima, não era apenas uma história qualquer, estava fundamentado em fatos reais, com dores e lágrimas.
E foram feitas tantas noites, tardes e manhãs de autógrafos...
Todas elas com a crença de que tudo daria certo... daquela vez seria diferente...
E nada acontecia, senão a frustração de que ninguém se interessava pelo assunto. Parecia que o livro mais agredia que alertava.
Mas perseguir um sonho é isso: enfrentar os seus maiores inimigos, mesmo que não saiba quais são!
Enfrentei o descrédito até dos que estavam ao meu lado...
"Talvez se você escrevesse outro livro..."
Não! O livro era CARA DE LEÃO! Era o livro do meu desabafo, dos anos de silêncio de muitas vítimas, das dores que muitas crianças e mulheres nunca terão a coragem de revelar.
Eu só queria que o livro fosse lido!
E então comecei a distribuí-lo em palestras que fazia...
Desejava tão ardorosamente que o lessem, que entendessem o quanto precisamos lutar contra as desigualdades, o quanto precisamos enxergar o sofrimento das pessoas.
Aos poucos fui ganhando espaço...
Aqui e ali surgiam convites para entrevistas, mesas de debates em rádios, palestras em escolas, igrejas, Ong's.
Então, vieram os primeiros sinais de que tudo havia valido a pena...
A felicidade em receber um e-mail de alguém que leu o livro e que se identificou ou que teve um caso na família e com isso poder orientar, confortar, dar apoio...
A felicidade de poder falar para aquelas pessoas que elas não estavam à deriva...
A possibilidade de levar esclarecimentos, poder dizer que haviam outras vozes no deserto.
Quem é idealista sabe do que eu estou falando.
CARA DE LEÃO  é para mim um filho mui amado e que eu quis muito que desse certo.
Talvez tenha sido este o segredo de nunca ter desistido, mesmo quando as águas pareciam me afogar.
As minhas palestras ganharam novos horizontes... eu fui aprimorando as minhas falas, ganhei seguidores e admiradores. Mais que isso, ganhei amigos.
O blog ganhou força, eu ganhei inspiração.
A vida ganhou novos desafios.
Assim como alguns artistas não conseguem desvincilhar-se de seus personagens, canções ou espetáculos marcantes, assim também me sinto em relação ao livro...
Será sempre a minha referência, o meu tesouro, a minha menina dos olhos.
Conheci o gosto amargo e o doce do mundo nas páginas de CARA DE LEÃO.
E se hoje sou quem eu sou, devo isso ao fato de que sempre acreditei que era possível.
Vão nascer outros livros, outras páginas, outros personagens, mas nunca poderei esquecer aquele que me fez crescer como ser humano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Por Um Fio