Segunda Pele...

Eis a minha segunda pele...
Quando uma criança chora
No carro, no ônibus, na escola
No silêncio da lágrima que rola
Não são os olhos que lamentam
Mas a dor que por dentro fere
O que palavras não contam!

Anda sozinha e não confia
No ser humano ao seu lado
Que por diversas vezes obriga
Calar a voz, forçado.

Segunda pele ferida
Nos anos de dor, calado
Veste um sorriso fingido
Chorando sozinho, escondido
Do mundo, de todos, acuado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Por Um Fio