Desfez-se os Laços...

Alguns laços não deveriam ser rompidos...
Fica uma sensação de impotência por dentro. Uma lembrança constante de coisas que nunca existiram, dá pra entender? Coisas que só você sonhou, desejou ou que só a sua mente criou e ninguém sabe, ninguém viu; mas punge dentro da gente como ferida exposta.
Laços são como veias... cheias de sangue, de vida, de cor!
E quando eles não existem mais é como se tudo perdesse o sentido...
É como um abraço feito apenas de braços enlaçados e nada mais, não há emoção, sentimento, entrega.
Um laço rompido é como a voz fria num telefonema, como vento seco e abafado num final de tarde.
Um enterro que se faz com defunto vivo!
Sabemos que está ali, mas é como se não existisse! Um "tanto faz"...
A fotografia é de um estranho... alguém que você nunca viu, mas que esteve em você, que sugou de você, que teve de você o seu melhor mesmo que não fosse perfeito.
Laços são como raízes fincadas dentro de nós...
Raízes que por alguma razão não germinaram.
As vezes, parece que o morto não é quem partiu o laço e sim, você... Você que não se reconhece em mais nada do outro, que não se vê, não existe!
É difícil aceitar o desprezo até que você o assume e o dá como troco!
Mas como conter a dor de não saber onde foi que errou? Onde deixou de ser amor e virou repulsa?
Talvez tenha sido a distância, mas não há distância que gele o sentimento...
Talvez tenha sido algumas desculpas que damos aos erros de quem amamos... mas desde quando amar é um erro? E quem seria perfeito ao ponto de nunca errar?
Não sei nenhuma das respostas, mas sei com exatidão todas as vezes que chorei de saudade!
Todas as vezes que engoli o orgulho e até as verdades, para poder acolher e dizer que estava ao lado.
Não sei onde tudo passou a ser o que hoje eu vejo. Não sei.
Mas sei da dor, do desgosto, do infortúnio dos olhos marejados de lágrimas, dos nós na garganta, das inúmeras vezes em que fui ignorada, como trapo num canto qualquer.
Sei das rezas que fiz pra deixar de sentir tanto...
Do quanto pedi para que tudo isso não fosse verdade.
Sei que os laços se romperam drasticamente... Nunca será como foi um dia, talvez por ter sido somente na minha imaginação.
A dor transforma para o bem ou para o mal, mas a lembrança castiga a cada vez que você lembra o tanto de amor que se perdeu.
Houve dias em que senti muita vontade do abraço, do carinho, da voz cantarolando mesmo que desafinada, das loucuras e desalentos que a vida nos fez passar.
Mas percebendo os laços rompidos, a imensa indiferença que há, percebo também o quanto de mim nunca será resgatado.
Você que hoje lê tudo isso, talvez não consiga entender o que eu estou dizendo, nem desejo que entenda por se tratar de uma dor sem fim. É um laço que rompeu mas que trás consigo um peso eterno. Ninguém morreu, não houve enterro... mas se trata de uma morte ainda pior que a física.
A matéria vira pó, o espírito atormenta.
E eu sei que na eternidade não será resolvido, pois o que se quebra do Divino, não se recupera.
Quebrou-se o laço, desfez-se a magia!
Se hoje para você sou apenas um retrato, pra mim você já virou poeira!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Sobre Abraços...