Molda-me...

Reconheço a minha pequenez
Diante do Teu trono...
Ajoelho-me na Tua presença
Para que a minha alma se converta
Na esperança das Tuas palavras
Possa outro homem renascer!
Molda este barro Senhor
Que nas Tuas mãos se faz mais forte
Podendo as injustiças vencer.
Molda esta mente impura
Com teus bálsamos de amor!
Como Davi, como um mero servo Teu
Coloco-me ao seu dispor
Faz-me um instrumento de louvor!
Que o impossível seja agora restaurado
Dentro deste corpo maltratado
Tão rebelde, tão ingrato
Quero contigo caminhar!
Vem senhor em meu favor,
Faz-me um vaso novo
Recria-me outra vez
Anela os meus olhos para Ti!
Cumpra-se em mim o Teu querer!
Como barro de dura cerviz
Molda-me com as Tuas mãos
Quebranta esta alma com perdão!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Por Um Fio