Depois Não Reclame!

"Depois não reclame... " Você disse!
Temos perdido tanto tempo que me pergunto: de que vale reclamar?
Talvez eu devesse reclamar do sorriso perdido,
Das vezes em que tudo poderia ter sido e não foi...
Talvez eu devesse reclamar desse amor que nunca vinga.
"Depois não reclame..." Você disse!
Tão irônico que as vezes fica trágico se olharmos lá atrás...
Você se sente injustiçada, faz drama e pirraça
Mas não muda em si quase nada!
Ficamos como crianças a frente da vitrine, observando sem tocar
Talvez eu devesse reclamar...
Das cobranças que me faz,
Da fragilidade dos raros momentos de paz
Talvez valesse a pena questionar tudo isso...
E quantas vezes era pra dar certo e você pisou na bola?
Quantos pedidos de perdão pela mesma causa?
"Depois não reclame..." Você disse!
Mas, depois de quê?
Das diversas discussões por nada que fosse justo?
Existe um tempo em que ficamos afoitos para fazer as pazes
E existe outro tempo em que fazer as pazes significa estar em paz consigo mesmo, antes de tudo.
Os "tempos" são relativos com o passar do próprio tempo.
Prioridades se modificam, assim como tudo muda.
Houve um tempo em que o meu coração ficava desassossegado...
Hoje o desassossego não existe mais.
Não me deixo levar pelas palavras de vitimismo que antes me faziam sentir culpa
Talvez eu devesse reclamar por isso... mas, pra quê?
Talvez eu só esteja revendo os meus conceitos.
O que me deixa feliz na relação, o que me faz sofrer e por quê?
Talvez eu tenha entendido que não estando perto não há conflito.
Essa história de que os opostos se atraem também significa que se agridem.
E existem palavras que ecoam para sempre dentro da gente.
Não sou de arrependimentos. Não!
Mas também não gosto de repetir o filme, sabendo exatamente o fim que terá.
Querendo uma história diferente, há que se fazer um outro caminho ou não dará em nada.
"Depois não reclame..." Você disse!
Não tenho do que reclamar, pois se não foi benção será lição!
Você tem me ensinado a não repetir os mesmos erros...
Não posso reclamar sequer do tempo que alguns possam julgar perdido
Pois este mesmo tempo tem me ensinado a repensar.
Pode-se aumentar mil vezes o tamanho da trave que não haverá gol... o problema não está na trave, mas em quem chuta a bola!
Talvez eu devesse realmente reclamar das tantas frustrações que passei...
Mas isto não mudaria o curso da história.
O que não casa no astral de forma sólida e definitiva, não casa na vida!
Só posso dizer: Obrigada!
Pois cada um tem da jornada aquilo que necessita ao espírito!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Sobre Abraços...