segunda-feira, 8 de maio de 2017

Cegueiras

"O pior cego é o que não quer ver!"
E quantas coisas deixamos passar despercebidas?
Entre buzinas e engarrafamentos, não percebemos a sinfonia da vida.
A cegueira de olhos sãos!
Como quem vê, embora não perceba.
O pássaro que pousa num galho, o vento e o delicado das folhas.
Os privilégios gratuitos do dia a dia...
Aquela orquestra que toca desafinada pela manhã,
Aos ouvidos lúcidos mas tão surdos que só conseguem se irritar...
Não compreendendo o que a melodia significa.
Ali está o emprenho do homem que mesmo mal remunerado
Luta para algo ao mundo doar
.
O legado de uma utopia!
Eis que ninguém dá valor
Ao sonho do autor
Que versos compõem em rimas!
As cegueiras diárias que roubam alegrias
Que turvam os dias com nuvens sem cor
Onde o brilho de tudo é cinza
Onde o ódio substitui o amor.
Triste é o homem que tendo olhos não vê
O esplendor da vida, o milagre de viver!

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Sobre Perguntas e Respostas

Passei  muito tempo na vida acreditando em coisas como se fossem absolutas.
Desperdicei tempo e energia com crenças limitantes, as quais eu achava que estavam certas.
Encontrei gurus, mestres, doutores... todos cientes de técnicas e culturas as quais eu também poderia saber ( se o que eu estivesse procurando não fosse a comodidade das respostas).
Sim, é a verdade.
Fiquei por muito tempo na comodidade das respostas prontas. Esqueci ou simplesmente ignorei as minhas perguntas. Era melhor saber pelos outros aquilo que eu mesma poderia obter como resposta dentro de mim.
E assim caminhei até não suportar a vida que estava tendo.
As respostas alheias não eram as minhas!
Essa é uma verdade Universal!
Ninguém poderá lhe dizer como agir, como sentir, como pensar.
As perguntas dos outros tem respostas para os outros, não para você!
Cada um de nós somos únicos e por este motivo somos tão diferentes.
Temos necessidades diferentes. Somos seres com individualidade e necessidades diferentes, mesmo que passemos por situações tão iguais.
Cada um será motivado, testado e responsabilizado diferentemente do outro.
O mínimo que o outro poderá nos trazer será uma outra visão sobre determinado assunto; o resto, seremos nós que decidiremos como, quando e até quando.
Fico observando as pessoas ao redor e percebo suas vulnerabilidades... todas carentes de serem apenas ouvidas. O grande erro consiste em não sabermos apenas ouvir! Queremos dar respostas.
E assim, muitos de nós nos enganamos ou nos deixamos enganar.
Os nossos olhos anelam aquilo que nos é conveniente.
Nem sempre encarar a verdade é realmente aquilo que desejamos.
A ilusão é doce, é suave, é um carinho ao nosso ego.
A ilusão nos permite ficar no comodismo.
Esquecemos que também podemos! Também somos capazes! Também temos sonhos.
Mas, a ilusão nos dá a sensação de que estaremos felizes pelos sonhos dos outros... ela nos envolve e seduz com perspectivas alheias.
E foi isso que eu vivi por muito tempo. Vendo com os olhos dos outros, o mundo dos outros, pensando que eram meus.
Vivi na doce ilusão das respostas dos outros ao que acreditava serem para minha vida..
E acordar para a realidade é como uma queda livre!
A gente vai percebendo tanta coisa... pequenas coisinhas! Meras coisinhas, mas que eram de total importância ao nosso EU.
Então, fui percebendo o quanto de mim foi perdido pelo caminho.
Não é que a experiência dessas vivências tenham sido ruins, não!
Apenas serviram como uma imensa volta dentro de uma estrada que poderia ter sido mais reta, mais coesa, mais direcionada, menos encruzilhadas.
Serviram para agregar conhecimento, e isso é um fato inegável. Mas, também causaram danos.
Talvez eu veja isso devido a maturidade, não sei.
Mas fazendo uma releitura de mim mesma, percebo que poderia ter feito diferente em muitos aspectos.
Hoje, essas crenças limitantes deixaram de existir e eu respondo as minhas perguntas, sendo certas ou erradas... não importa. São as minhas respostas que valem para mim.
O outro é só o outro.
Ele também está numa caminhada e terá as respostas dele.
O que ficou de lição é que daqui pra frente tudo que eu quiser saber, encontrarei caminho dentro de mim. Mesmo que isso signifique outras vivência não tão agradáveis.
No final é tudo dentro da gente!
E colocar cada assunto no devido lugar demanda tempo e energia.
Introspecção e autoconhecimento são chaves mestras para discernir o árduo caminho de si mesmo.
Portanto, não busque no outro aquilo que você pode encontrar como resposta na sua consciência, mesmo que inconsciente.




domingo, 30 de abril de 2017

Para Minha Mãe

Ah, minha mãe... que saudades de você!
Queria deitar no seu colo agora
Sentir o seu toque nos meus cabelos
A segurança doce e firme dos seus carinhos...
Ah, minha mãe...
Os anos passam mas a saudade continua!
Que vontade de contar tantas coisas a você...
Dizer o quanto os seus conselhos me fazem falta!
Queria dar um abraço bem gostoso...
Daqueles que não se tem mais vontade de sair.
Ouvir o som compassado do seu coração!
Você se foi tão cedo...
Tantas coisas que não foram ditas
Os netos que não conheceu...
Os risos que nunca mais deu!

Ah minha mãe... que saudades eu sinto!
Belas tardes de domingo... tantas alegrias...
Eu queria dizer o quanto lhe sou grata
Por tantas coisas que hoje eu aprendi...
Você me ensinou a ser forte, no momento em que partiu!
E sempre que me lembro dos seus olhos
Sinto como se ainda cuidasse de mim!
Acho que herdei sua alegria... seu riso alto e satisfeito com a vida
Quando de repente cantarolava na cozinha...
Tantos cheiros ainda sinto
Nessas lembranças de você e de mim!
Seu aniversário tão pertinho do meu.
Noites de Natal, sapatinho na janela...
Coisinhas simples, coisinhas nossas!

O tempo passa, o tempo voa...
O tempo levou o seu corpo
E eternizou as nossas vivências.
Andei no mundo, meio perdida
As vezes fui santa, outras vezes bandida
Mas, de toda experiência vivida
Não esqueci da sua partida!
Ah minha mãe... bom seria se aqui estivesse
E nesse momento pudesse
Afagar os meus cabelos
Hoje não tão longos quanto foram um dia
Nem tão pretos como você gostaria
Mas tão carentes quanto
De um afago seu com alegria!





Aprendizagem.

Os piores momentos da vida passamos sozinhos!
No interior de nós mesmos.
Perdidos em pensamentos, em sentimentos conflituosos, sem chão, sem rumo, desorientados.
Ficamos na corda bamba literalmente.
Ninguém saberá descrever a nossa dor, por que a dor de cada um é diferente...
Não adianta chorar, por que até mesmo as lágrimas um dia cessarão.
O turbilhão de emoções e sentimentos também.
Passaremos pelo vazio de nada sentir, por não saber exatamente onde estamos na vida.
Ficaremos olhando o passado como se pudéssemos encontrar todas as respostas...
Ledo engano. Não há como responder no momento.
Só muito mais tarde é que saberemos o que houve... ou não!
Nem tudo na vida tem explicação.
As vezes só tínhamos que passar por aquilo como aprendizagem, crescimento, evolução.
Queimar o karma!
Talvez tenhamos mesmo é que olhar para frente, traçar outros rumos, criar metas.
Aprender que o curso diário é somente um dia após o outro.
Nada será da mesma forma ou semelhante.
O modo como escolhemos amar é o modo que atraímos o amor...
Então, que façamos as escolhas certas... com mais serenidade, com mais leveza.
Todo o redemoinho de hoje vai cessar! Assim que escolhermos de fato o botão do: Basta!
O coração vai aquietar, a mente vai se expandir, os pensamentos vão se ordenar...
Por que tudo passa!
A desordem íntima também.
Isso vale para perdas por morte e para perdas em vida!
Nós somos os únicos a permanecer... com feridas, com mágoas, com perguntas insolúveis, com teimosias desnecessárias... perdendo tempo com o que deixamos de viver.
Quando nos dermos conta da realidade, quantas coisas teremos perdido?
Então, o que  interessa de agora em diante é seguir em frente, de modo mais assertivo, sem tantas ilusões, com o pé no chão e a cabeça erguida.
Todos os dias é possível fazer coisas novas.
A pessoa mais importante de nossas vidas somos nós mesmos.
Assim como a água de um rio não passa pelo mesmo lugar duas vezes, assim deve ser a nossa aprendizagem na vida... não repetindo os erros.
Erre. Erre bastante, mas erre, erros diferentes!
Tome o prumo, acerte o rumo!
A vida pede que sejamos inabaláveis, mesmo quando sentimos que nos falta o chão... temos que trilhar os árduos caminhos do destino, entre armadilhas e abismos.
Não adianta nos vitimizar. Temos que tomar o leme nas mãos e enfrentar as tempestades como se fossemos mais fortes do que pensamos, pois o seremos!
Não adianta insistirmos em sermos observadores apenas, pois somos os protagonistas de nossas vidas, fazemos parte da cena.
Está em nossas mãos escolhermos naufragar ou ajustar as velas.
Temos que ajustar o binóculo para dentro de nós mesmos... enfrentar os monstros interiores de frente e eliminá-los.
Criamos a força através da dor.
Assim nascemos... sozinhos, imbuídos pela dor do parto, no afã de vermos o mundo e conseguimos!
A vitória trás histórias e toda história trás emoção!
O que nos acontece hoje é somente um preparatório do que nos aguarda amanhã.
É nessa solidão, onde nos vemos mais de perto. É assim que entendemos as nossas potencialidades.
Em quase todos os momentos da vida estaremos sozinhos, principalmente quando tivermos que aprender algo sobre nós mesmo.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Desapego

Não acredite nas suas mentiras
Aquelas velhas certezas as quais se apega para justificar seus atos.
Amor não correspondido é nulo!
Não perca seu tempo tentando recuperar o que nunca existiu.
Se não viveu, não era seu!
Desapegue-se do ego que insiste em tentativas insistentes e dolorosas.
Tenha amor próprio!
Ninguém ama quem não se ama!
Pare de justificar suas intenções, com desculpas e variantes do mesmo!
Não existe nada pior que o engano!
Não engula mais estes sentimentos... desapegue-se!
Pare de insistir e verá que existe outras possibilidades.
Pare de dar crédito ao seu ego ferido, onde você quer acreditar que seria possível.
Não seria! Não será!
Ninguém é obrigado a estar contigo se não quer
Quando há reciprocidade, quando há vontade, as coisas se resolvem por si só.
Não minta para si mesmo... Não!
Aceite que a vida é feita de ciclos e que você está perdendo oportunidades, por insistir numa velha história.
Olhe para a vida pelos olhos da razão.
Veja o quanto foi perdido, o quanto está a perder.
Tempo é algo que não volta.
O que se sente pode ser transmutado, modificado, desde que se queira.
O outro não vai ceder só porque você assim deseja.
Ele não sente, ele não quer!
E ao parar com o apego você perceberá que melhor do que estar com ele, é saber que está bem!
Se você não está bem é porque optou por estar apegado.
Felicidade é algo que se sente só, para então, sentir ao lado de alguém.
Se você não é a sua melhor companhia, esquece!
Ninguém poderá lhe dar o bem estar interior.
Se é isso o que sente ao lado do outro, não é amor! É apego.
Você se apegou ao que o outro representa. A figura que você admira e que gostaria de ser!
Pare! Você é único! Você tem o seu valor!
O seu mundo exterior reflete o que você sente... portanto, se você está confuso, perplexo ou com a ideia fixa, então saiba que precisa encontrar seu equilíbrio.
Não se engane mais.
A escolha em continuar se iludindo, fingindo que uma hora dá certo é sua... mas saiba que as consequências também!
Ouça a sua razão. O coração é traiçoeiro.
O coração vê com olhos da ilusão...
Pare, ouça sua voz interior, aquela voz verdadeira que lhe diz exatamente aquilo que você não gosta de ouvir, mas que é a real.
Procure outros ares, reveja padrões, observe-se!
Você pode conquistar tudo que desejar, mas não pode impor aos outros a sua vontade.
Existe alguém lá fora a sua espera... em algum lugar!
Desfaça-se do apego excessivo no que somente lhe trás amarguras e frustrações.
Não atraia para si o que nunca será seu!
Aprenda das experiências!
Não repita o mesmo erro tantas vezes numa única história. Evolua!
Você está aqui para isso!
A obstinação por algo ou alguém é nociva.
Afaste as mentiras que a sua mente inventa a respeito do assunto e olhe para a vida como ela é.
Ninguém vai te amar se você não amar a si mesmo.
Pare de sentir medo, saia da zona de conforto.
Saia do comodismo da ideia de que só será feliz com fulano, é mentira!
Você já foi feliz sem ele!
O que acontece hoje é o ego ferido, o orgulho, o fato de não aceitar...
Você nem era tão feliz assim... havia sempre insatisfação, as mentiras que dizia a si mesmo para acreditar que um dia seria como sonhava.
Nunca foi!
Aceite o fim do ciclo, para que o novo possa vir.
Transfira o seu pensamento, transfira o seu sentimento...
Como quando alguém morre e temos que sobreviver, da mesma forma é com quem um dia nos deixou.
As pessoas partem, nós ficamos!
E não adianta querer algo que não se concretiza.
Você está perdendo a sua vida.
E a energia que você emite é a mesma que irá te acompanhar.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Mantra!

Eu quero
Eu posso 
Eu consigo!
Eu já tenho
Eu tomo posse
Eu entrego ao Universo
Eu recebo
Eu aceito
Eu agradeço
Eu mereço!
E a vida flui como o reflexo daquilo que se tem na alma
Exprima seus bons sentimentos
Sinta a brisa como carícia
Veja a vida!
Aceite o que não pode mudar
Mude o que conseguir
Seja leve!
Cumpra os ciclos.
Feche as portas que não levam a lugar algum
Recomece de onde está
Não olhe para trás, você não está mais lá!
Nada será como antes, nunca!
O filme perde o glamour quando visto várias vezes
Hoje é o dia!
A vida é agora.
Crie o seu dia feliz,
Viva-o!
Contemple a si mesmo
Veja a fagulha Divina em si mesmo
Experimente ser o que o seu pensamento cria
Dê chances a si mesmo
Ame-se!
A vida retribui conforme você constitui.
Os sonhos são seus
O inferno também!
O paraíso é uma questão de ponto de vista.
Eu posso e mereço o que eu crio e entrego ao Universo
Um mantra nada mais é que a afirmação do inconsciente
Sobre as possibilidades que desejamos.
Somente o que é nosso permanece em nossas vidas!
Desapegue-se!
Descubra-se! 

Vejo Você!

Eu vejo você...
Nas linhas sinuosas de cada montanha
Nas tardes frias de inverno
Nos verões de muitos risos
Eu vejo você!
Vejo seu olhar pra mim
Toco a sua pele um instante
Tão tênue que foi somente miragem
Eu vejo seus cabelos voando ao vento
Sua boca articulando palavras
E é como um filme bom
Faço carícias sem nenhum toque
Sinto a pele arrepiar
O frio doce no estômago...
Eu vejo você em mim
A cada reflexo meu num espelho
São os teus olhos que eu vejo.
A sua voz é a melodia mais premiada
Um assopro de alegria
E eu sorrio mais feliz
A cada vez que vejo você
Numa esquina qualquer
Como um fantasma a me acompanhar
Um milagre que sinto acontecer todos os dias
Eu vejo você
E não preciso de fotografias
Vejo na doçura dos meus próprios olhos
Nos sonhos que ainda não esqueci
Nas tarde de sol numa praia qualquer
Vejo o amor que ainda sinto
Nas belezas que me acompanham.
Vejo você!

Devaneio

Sinto pungente e pulsante a vida que corre em minhas veias
Como o vento que corta entre folhas e florestas
Num arroubo de paixões!
Sinto a pele fria, o riso largo
A mente sã! Sinto a noite, vejo o dia
Vivo entre estradas sinuosas
De muitas vidas
Muitas idas
Entre curvas, dias, partidas!
Sinto o gosto do vinho dos teus lábios
Nos suores que trocamos entre os lençóis...
Virginal, visceral!
Urgente... Carnal, indecente
Sinto o pungente de nós
Entre muitos sóis, muitos nós!
É a vida que urge em minhas veias
Nos desencantos e prantos
Nos abraços ternos e apertados
Nos risos soltos,
Na beleza dos teus olhos!
Carnal... pungente
Valente e fraternal.
Como a lâmina que corta o pulso
Como a estrada que não chega ao fim
Sou eu:  Assim...
Neste meio de tudo
Confuso, perdido, dentro do casulo
De tu, de mim...
Sinto... como a água que molha o teu corpo
Dourado, seminu... delicado!
Num devaneio talvez.
Num louco e delirante desejo de nunca partir!

terça-feira, 28 de março de 2017

Por Um Fio

Quantas chances precisamos nos dar?
Entre tantos desencantos, tantas lágrimas e prantos.
Vamos navegando nos desencontros.

Por um fio... no calor, no frio!
Sem destino, em desatino
Entre silêncios e gritos.

Deixamos um pouco de nós nos outros
Carregamos o fardo da dor por consolo.

Aquele abraço que nunca foi trocado
O beijo que deixamos pra lá...
O tempo negligenciado,
O amargo do amor, sem amar!

Quantas chances? Quantas mais?
Num enlace pra sempre selado
Do que não vamos saber

O gosto do gozo negado
Os sonhos que não vamos viver!

domingo, 19 de março de 2017

O Jogo da Vida!

Compare a vida a um jogo de vídeo game,  cheio de fases com infinitas possibilidades, obstáculos, prêmios, fases difíceis, fases fáceis...
Um jogo que exige inteligência, determinação, persistência, abnegação, paciência, dedicação! Um jogo que exige tempo.
Assim é a vida!
Corremos pra lá e pra cá, empenhados em garantir o sustento, querendo vencer os obstáculos, correr contra o tempo.
O jogo é intrincado, com muitas pistas falsas, cheio de ciladas, verdadeiros buracos negros.
E ficamos horas tentando vencer cada desafio... cada fase sem saída, cada quebra-cabeças, dados e roletas.
Encontre a bússola e encontrará o caminho...
Assim é a vida!
Um jogo de idas e vindas, cheio de lições que nem sempre conseguimos aprender e por isso repetimos os erros em outras fases.
Um jogo que exige atenção. Onde o maior inimigo pode ser você mesmo. Um passo em falso e vai tudo pelo ralo... como num campo minado.
A vida é um jogo muitas vezes complexo. Exige cálculos, exige método, exige superação.
Existem fases muito difíceis. Fases que parecem insolúveis e que conseguimos vencer quando menos esperamos. O golpe de sorte! A luz no fim do túnel. A flechada certeira.
Esse jogo não perdoa fragilidades.
Exige que  se mate um leão por dia. Exige ação, exige estratégias.
Talvez tenha que plantar várias sementes e regá-las por um longo período até que floresçam.
Pode ser que seja um jogo cheio de aventuras, com surpresas em cada curva, com desafios que exijam muito de cada participante.  Não sei... é um jogo coletivo que cada qual joga individualmente.
O cenário é único e todos estão conectados, mas cada um obterá o seu resultado. Jogos vorazes, jogos mortais...
O jogo da vida não trás manual algum. É um tiro no escuro. Um grande labirinto com areia movediça e feras escondidas.
Podemos receber game over a qualquer momento.
As soluções surgem e até confundem... algumas fases nos dão a sensação de que perdemos o jogo.
Então ganhamos uma vida, um fôlego a mais, novas chances!
Neste vídeo game cercado de ilusões, experimentamos as mais variadas sensações possíveis.
Trocamos de fase, avistamos outros desafios...
A vida é assim!
Um constante recomeçar de fases.
Não importa quantas vezes você venceu ou perdeu lá atrás. Você terá que dispor de todo o seu empenho para ganhar ou perder de novo em cada fase que chegar.
O desafio é a mola propulsora disso tudo.
E a satisfação está presente em passar por cada fase.
O jogo pode até terminar... mas a experiência dele nos dá a alegria de saber que fomos capazes de transformar a nós mesmos. Ninguém alcança o game over do jeito que iniciou.
A vida é assim!
O grande lance do jogo talvez seja ser o guerreiro que tanto se admira nos filmes... com defeitos e qualidades, mas acima de tudo com fé de que no final tudo dará certo.
Lembre-se: A estratégia não está na força ou nas armas e sim no pensamento.
Não mire em suas fraquezas, potencialize as suas qualidades.
No jogo da vida o que vale é saber jogar.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Tome as Rédeas.

Todo mundo perde a fé num determinado momento da vida.
Seja por dificuldades, por motivos de doença, por abandono, por desespero... o fato é que, em algum momento nos sentimos só.
Nenhuma palavra é capaz de nos dar conforto ou inspiração.
Somos tragados pela inércia da procrastinação.
Não conseguimos mover uma palha por nós mesmos.
Ficamos questionando os fatos. Olhando para o passado como se pudéssemos mudar o rumo das coisas.
Achamos que Deus não existe! Se existe, não é justo...
As vezes desejamos tanto algo que, ao fracassarmos é como ter perdido tudo.
Bem... a verdade é que não perdemos!
Igualmente aquele velho ditado popular que diz: "vão-se os anéis, ficam os dedos" ainda temos a nós mesmos para recomeçar quantas vezes forem necessárias.
O que nos falta é coragem. Recomeçar exige força de vontade, engolir o nó na garganta e acreditar que pode ser feito um novo caminho.
Temos que buscar forças de onde não sabemos se existe. Motivar a si mesmo é algo quase impossível.
Os pensamentos variam, nosso humor fica instável... a dor parece maior do que realmente é.
Por um longo tempo nos deixamos envolver pela frustração.
Para cada solução, parecemos criar um problema...
E se não há ninguém para nos amparar, como prosseguir?
Como seguir em frente?
Primeiro passo: Não se demore muito olhando para o que deu errado. Aprenda com os erros e concentre-se no que deu certo. Tome as experiências como lição. Não se culpe tanto. Não se feche tanto. Somos um leque de opções.
Segundo passo: Mantenha-se no foco. Não se permita distrair com isso ou aquilo. O sucesso nem sempre trás holofotes. Reveja seus parâmetros. Comece devagar. Um dia de cada vez.
Terceiro passo: Potencialize as suas ideias. Acredite em você. Busque formas de aprimoramento. Desenvolva as suas habilidades. Todo mundo tem um talento... todo mundo pode chegar aonde quiser. Cercar-se de conhecimento é uma forma de se preparar para viver o sonho.
As vezes dará muito, muito, muito errado mesmo... até que comece a dar certo.
O importante é tomar as rédeas da vida nas mãos. Ouvir conselhos é bom, mas decidir é algo intransferível. Ninguém pode decidir por nós.
Olhe no espelho todos os dias e veja refletido ali uma pessoa capaz, com as mesmas qualidades de qualquer ser humano. Vislumbre-se no lugar exato onde deseja estar.
Não faça do seu caminho algo espinhoso e difícil de carregar.
Deus existe! Mas, não vai vir fazer por você o que já lhe deu como missão.
Somos nós quem devemos trilhar o caminho do autoconhecimento e encontrar a fórmula de realização.
Lembre-se sempre de que amanhã é uma incógnita, hoje é o único dia viável à vida.


domingo, 12 de março de 2017

Talvez...

Talvez me falte amor
Talvez não saiba amar
Talvez o jeito certo certo
Seja apenas admirar!

Talvez eu queira amor
Talvez eu queira amar
Talvez nada disso
Seja certo.
Talvez o certo seja parar.

Talvez eu saiba um pouco
daquilo que nem sei ainda
Talvez eu nem queira de fato ter ciência
Por ser mais fácil... não ter certeza!

Ou talvez a vida seja isso
O constante desiquilibrio
Equilibrado  em constantes e variantes
Daquilo que não se sabe
daquilo que não se quer
Por aquilo que se tem.

Dar a Volta Por Cima

Dar a volta por cima! Como?
E quando se está no zero? Quando todas as possibilidades parecem não funcionar...
O que fazer? Como manter um pensamento positivo diante das dificuldades?
As vezes a vida parece que debocha da gente.
Os amigos somem, a doença chega e parece que tudo fica tão vazio...
Como ser uma pessoa resiliente e assertiva?
É neste momento em que tudo parece sem sentido e sem rumo que precisamos ser aquilo que admiramos nos outros. Extrair forças de si mesmo. Sair do fundo do poço!
Acreditar. Convencer a si próprio de que não há mal que dure para sempre.
Estabelecer uma conexão com o seu EU!
Tudo está dentro de nós, na mente, naquilo que pensamos, naquilo que cremos.
Muitos vencem o câncer porque acreditam que estão curados, estabelecem a cura por pensar nela.
Assim é a vida. Chegamos até aqui mesmo quando o desespero nos atinge em cheio.
A vida exige atitudes afirmativas.
Mas como estagnar o pessimismo? Como estabelecer pensamentos construtivos?
Acredito que o primeiro passo seja vencer os medos, pois eles nos paralisam. Criam monstros onde não existe. Estabelecem nossa derrota antes que tenhamos tentado.
Temos que vencer os medos e deixar de vitimizações! Parar de se sentir uma vítima do mundo. deixar de pensar que nasceu para sofrer.
Todo mundo sofre, todo mundo tem problemas.
Ressignificar os acontecimentos é dar um novo olhar para a vida.
Entender que os fatos são elementos ao nosso amadurecimento.
Um terceiro passo para dar a volta por cima das situações de aflição e dor é tomar decisões! Estabelecer o que se quer, como quer e como irá fazer. Olhar para a vida de modo prático, com olhar de quem sabe para onde ir e como chegar. Autoconfiança.
Não dá para passar os próximos anos se sentindo um pobre coitado!
Temos tudo de que precisamos. Apenas necessitamos saber usar.
Eu não descobri a pólvora, nem sou dona da verdade... mas, procuro olhar a vida como ela se apresenta, dentro das minhas escolhas e compreendendo que as consequências também podem ser positivas mesmo quando se apresentam ruins.
Num diagnóstico sincero do que acontece em sua vida, veja os pontos positivos! Tenha coragem de admitir os seus erros, perdoar a si próprio e assim poder avançar na direção que se quer.
A vida pede mais de todos nós... não se ponha na condição de miserável!
Dê a volta por cima de si mesmo primeiro, matando os seus inimigos interiores, os pensamentos sabotadores, as energias de raiva, repulsa, rejeição! Ame o que você pode  amar e esqueça o que não lhe trás felicidade.
Vença os seus monstros num exercício diário de autoconhecimento, com sinceridade, com objetividade e acima de tudo sabendo que amanhã é outro dia! Sempre é possível mudar a realidade, mas não adianta repetir figurinhas... álbum completo é aquele em que todas as figuras estão em seus devidos lugares!
Analise-se! Verifique as suas prioridades. estabeleça que você é a sua maior e mais importante prioridade na vida. Ontem é o aprendizado que você aprimora no dia de hoje para enfrentar o dia de amanhã!

sábado, 11 de março de 2017

Sequelas do 8 de Março!

O dia oito de março passou... Dia Internacional da Mulher! 
Teria sido mais uma data comemorativa, não fosse o "Bela, recatada e do lar! repetido descaradamente no discurso presidencial, embora disfarçado com outras palavras, mas no mesmo tom machista e patriarcal dessa velha e hipócrita sociedade em que vivemos.
O discurso virou piada internacional.
Mas olhando mais atentamente, fico me perguntando a respeito das sequelas disso. 
Durante muitos anos, aceitamos este modelo familiar como ideal e aquelas que ousaram sair dos padrões pagaram o preço por sua rebeldia. 
Hoje, século XXI, num mundo globalizado e tecnológico pensamos e avançamos em direitos e oportunidades... mas então, surge a moça queimada viva em ritual de exorcismo religioso na Nicarágua... um vilarejo perdido na selva, sem presença do Poder Público, onde a miséria é palpável e a religião impõe suas leis.
Outra notícia que choca é saber que a cada quatro minutos uma mulher foi agredida no Rio de Janeiro no período do Carnaval.  O Estado de São Paulo registrou um estupro por hora no ano de 2016, segundo dados da secretaria de segurança Pública.
Se na Nicarágua o Poder Público não chega, no Brasil o Poder Público não basta!
No ranking da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil ocupa o quinto lugar no ranking dos países onde mais se matam mulheres no mundo. Segundo estudos do Ipea, a cada ano, em média, aqui são assassinadas cinco mil mulheres. 
E o mundo, que está se tornando um lugar cada vez mais inseguro para todos, é mais cruel ainda para com as mulheres. 
A Rússia, governada pelo ex-chefe da KGB, Vladimir Putin, aprovou uma lei que despenaliza a violência doméstica, sempre que a agressão não causar danos à saúde da vítima – ou seja, investidas que provoquem “apenas” dor física e deixem marcas ou arranhões não são mais crimes na ex-União Soviética. Só quando o agressor voltar a bater no mesmo familiar poderá ser processado, mas unicamente quando o agredido conseguir demonstrar os fatos, porque a justiça não atuará nestes casos. O mais trágico nisso tudo é que os autores do projeto que tornou-se lei são mulheres – duas deputadas e duas senadoras do partido de Putin.
Esses são alguns exemplos de como o machismo pode ofuscar nossas conquistas... o retrocesso está a galope em escala mundial. Muito embora haja militância e gritos de liberdade e igualdade, ainda estamos a meio passo da caminhada.
Cada vez mais é necessário educar e conscientizar a mulher e o homem. Não adianta somente punir. Temos que erradicar o mal pela raiz, através de políticas públicas educacionais efetivas e de base, para criarmos a sociedade justa e igualitária que tanto idealizamos.
O discurso do Presidente Temer é apenas a ponta do iceberg. As sequelas disso veremos estampadas nas manchetes das páginas policiais...
Não se enganem com discursos feministas onde a teoria é muito bonitinha! Não!
Analisem o contexto da História feminina através dos tempos e percebam que a nossa luta é diária. 
Tudo isso que lemos nos jornais e vemos nos noticiários de tv é um reflexo do machismo impregnado por anos na educação entre meninos e meninas e que muitas das vezes, nós mulheres ajudamos a perpetuar.
Por este dia oito de março, gostaria de deixar a reflexão de onde estamos e para onde estamos indo como dever de casa. Não adianta meia dúzia fazer greve e ir para as ruas em protesto, se uma dúzia aplaude palavras de misoginia, machismo e preconceito.
A mulher está cada vez mais consciente de que precisa ocupar espaços de Poder, mas ainda não uniu forças para conseguir seu intento. Enquanto isso, muitas são as que perdem suas vidas pela inércia do Poder Público, pelo machismo institucionalizado e pela indiferença de suas iguais.

sexta-feira, 3 de março de 2017

Feminicídio, Uma Triste Realidade

Feminicídio significa a perseguição e morte intencional de pessoas do sexo feminino, classificado como um crime hediondo no Brasil. O feminicídio se configura quando é comprovada as causas do assassinato, devendo este ser exclusivamente por questões de gênero, ou seja, quando uma mulher é morta simplesmente por ser mulher.
De modo geral, o feminicídio pode ser considerado uma forma extrema de misoginia, ou seja, ódio e repulsa às mulheres ou contra tudo o que seja ligado ao feminino.
Agressões físicas e psicológicas, como abuso ou assédio sexual, estupro, escravidão sexual, tortura, mutilação genital, negação de alimentos e maternidade, espancamentos, entre outras formas de violência que gerem a morte da mulher, podem configurar o feminicídio.
O feminicídio pode ser classificado em três situações:
Feminicídio íntimo: quando há uma relação de afeto ou de parentesco entre a vítima e o agressor;
Feminicídio não íntimo: quando não há uma relação de afeto ou de parentesco entre a vítima e o agressor, mas o crime é caracterizado por haver violência ou abuso sexual;
Feminicídio por conexão: quando uma mulher, na tentativa de intervir, é morta por um homem que desejava assassinar outra mulher;
De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), nos últimos anos pelo menos 50 mil mulheres foram mortas no Brasil, sendo os assassinatos enquadrados como feminicídio. O estudo ainda aponta que 15 mulheres são assassinadas por dia no país, devido a violência por gênero.
Para tentar impedir os crimes contra as pessoas do sexo feminino, a ex presidente do Brasil, Dilma Rousseff, sancionou a Lei 13.104, em 9 de março de 2015, conhecida como a Lei do Feminicídio.
A lei altera o Código Penal (art.121 do Decreto Lei nº 2.848/40), incluindo o feminicídio como uma modalidade de homicídio qualificado, entrando no rol dos crimes hediondos.
A justificativa para a necessidade de uma lei especifica para os crimes relacionados ao gênero feminino, está no fato de 40% dos assassinatos de mulheres nos últimos anos serem cometidos dentro da própria casa das vítimas, muitas vezes por companheiros ou ex-companheiros.
Segundo o Código Penal Brasileiro, os crimes classificados como de homicídio qualificado são punidos com reclusão que pode variar de doze a trinta anos.
De acordo com o texto da lei do feminicídio, a pena do crime pode ser aumentada em 1/3 (um terço) até a metade caso tenha sido praticado sob algumas condições atenuantes, como:
Durante a gestação ou nos três meses posteriores ao parto;
Contra pessoa menor de 14 (catorze) anos, maior de 60 (sessenta) anos ou com deficiência;
Na presença de descendente ou ascendente da vítima;

Inseparável

Você pode deletar das redes sociais
Pode trocar o número do telefone
Pode desligar o rádio e não ouvir aquela música
Você pode disfarçar diante dos amigos
Pode não tocar no nome
Mas, de alguma forma
Em algum momento do dia
Vai lembrar de mim!
Estarei presente em algum momento
Por uma palavra de alguém
Uma lembrança boba
O cachorro que  lhe dei...
Você pode enganar a todo mundo
Pode engolir em seco suas palavras
Pode até sufocar o seu orgulho
Pode sorrir e conversar com quem quiser
Mas o travesseiro saberia contar as suas noites insones
O seu choro solitário
Suas preces silenciosas...
Você pode bater o pé
Dizer coisas para ofender e magoar
Fingir que não se importa
E até sair com alguém para esquecer
Pode fazer coisas que nunca fizemos antes...
Mas vai lembrar de mim
Em todos os momentos que olhar e não me ver
Vai sentir que falta algo
Um pedaço de você!
O apego desses anos vai pesar
E nada será satisfatório...
Até as ondas do mar vão sussurrar o meu nome.
E você vai sentir que mesmo longe
Estamos perto
Por uma conexão sem fio... sem fim
Pois o que é eterno não acaba
E o que nos separa são apenas palavras.
Você pode tentar, querer, relutar
Pode fazer o que bem entender
Não importa se estou perto ou longe
Porque a única coisa que você
não sabe
E que vou dizer agora é que
Estando separados em distância
Não deixarei de estar presente.
Por não estar contido em nada
Mas estar do lado de dentro.

Duelo.

Dizem que o coração é traiçoeiro. Acredito que não!
A nossa mente é traiçoeira. Nossos pensamentos focalizam e o coração assimila.
A mente diz que sim e o coração aceita a ideia.
E quando tudo aquilo que acreditamos deixa de existir culpamos o coração de leviano...
Leviano são os pensamentos!
Pensamos e damos credibilidade para que algo passe a existir.
Depois, apontamos para o coração... tolo e tão crédulo que não percebeu o engano!
A nossa mente cria, o coração acredita!
É um duelo onde o sentir entorpece a alma...
A mente encontra desculpas, favorece os erros, insinua escolhas e o coração aceita.
O sentimento é uma arma poderosa, podendo enaltecer ou destruir o ser humano.
Sentir saudade de alguém poderia ser apenas um sentimento simples, não fosse a mente nos bombardeando com lembranças, letras de músicas, imagens de lugares, sons de risadas...
A mente humana é sádica!
Alimenta o que não deveria e isenta-se de culpa.
A mente cria, desfaz, ilude, refaz ao seu bel prazer. O coração não discute.
A mente se divide em opiniões... sim e não, talvez, quem sabe?
É uma infinidade de possibilidades e questionamentos.
Sempre absoluta. Sempre inquestionável
E o coração leva a culpa.
Eu te avisei... Você não quis ouvir... coração traiçoeiro...
Essa ardilosa senhora, a mente,  é a responsável por tudo que gera a nossa existência.
Morte encefálica, morte de tudo. Cessa o sentimento, as dúvidas, as certezas...
É na mente que vive o homem!
O coração é apenas um pobre coitado, refém daquilo que imaginamos sentir!
E o sentir é aquilo que alimentamos por palavras, momentos, ações... quando a respiração falta.
Quando um toque arrepia a pele, um beijo tira os pés do chão.
E tudo isso quem controla é a mente!
O coração sente aquilo que a mente permite.
Portanto, neste duelo do pensar e do sentir, tudo que temos é a certeza de que nada é
para sempre.
Mude o pensamento e o sentimento será diferente.


segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Protesto!

Qual o seu padrão de beleza?
Você é gorda ou idolatra a magreza?
Você é loira ou disfarça a sua pele negra?
Pensa por si mesma ou pensa como a realeza?
Anda de chita ou usa turquesa?
Qual o seu grau de esperteza?
Assumi seus pensamentos ou apenas enfeita?
Qual a sua contribuição naquilo que a mídia rejeita?
Qual o seu padrão?
Mulher de verdade ou mulher de encaixe?
Mulher que se ama ou usa disfarce?
Mulher da vida ou mulher da mídia?
Mulher que sonha ou que se mortifica?
Qual o seu padrão?
Seria o que todo mundo aceita?
Faço minhas as palavras desta seita
Que diz: Melhor ser o que é
Do que ser receita!

Fé!

Muitas são a vezes em que tudo que nos resta somos nós mesmos.
Não há com quem compartilhar, alguém para nos ouvir, alguém para ficar em silêncio.
São momentos em que percebemos que estamos sós.
São fases da vida em que precisamos refletir. Avaliar o nosso íntimo.
Jogar fora o que não nos serve mais... sentimentos, lembranças, certezas, dúvidas.
Hora de recomeçar do zero.
Hora de dar um passo rumo ao desconhecido.
Deixar de lado tudo aquilo que acreditamos, tudo aquilo que um dia foi o nosso mundo.
Nesses momentos ímpares, precisamos estar firmes. Direcionados ao nosso bem estar.
Olhar para dentro e saber o que queremos por fora.
Eu costumo dizer que é a hora do reflexo... aquilo que vemos de nós!
Não adianta procurar conselhos, ombros amigos, palavras de conforto.
Ninguém saberá entender.
É a hora da introspecção, sentir a dor, deixar vazar. deixar sangrar.
Toda cura vem do saber administrar a dor.
Tem coisas que somente Deus é capaz de entender... seja Ele que nome tenha na sua fé!
É a hora de se reconectar e se reencontrar.
Muitas vezes acreditamos que não somos ouvidos, que não haverá resposta.
Mas, sempre haverá uma saída... sempre haverá uma solução.
Até mesmo a morte é uma resposta, quando sofrer já não expurga o mal e assim, funciona como alívio.
Mas, estas horas de desamparo servem para iniciarmos algo novo.
Servem para mudarmos o nosso mundo, a nossa concepção do que fomos e do que poderemos vir a ser.
Todo momento ruim é precedido de algo renovador.
Acreditar no milagre é o início dele.
Muitas pessoas se desesperam, perdem a fé, sucumbem ao "achismo", concluem errado, agem pior ainda. Esquecem das lições, dos aprendizados, daquilo que poderia servir de conhecimento.
A melhor de todas as conclusões da vida é que tudo passa... o bom e o ruim, em igualdade se evaporam.
O que resta é sempre a lição!
O quanto aprendemos e o quanto podemos por em prática.
Saber o que não se quer é o primeiro passo para descobrir aonde quer ir!
Se sobrevivemos até aqui, sobreviveremos a qualquer situação.
Se o que restou foi a fé, então restou tudo de que precisamos para vencer.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Desrespeito não é Amor!

Amor não se compra, não se vende, não se negocia, é sentimento puro e soberano, é autêntico ou não existe, é real e não imaginário, é atributo do ser humano, é energia que fala, que sente, que movimenta o círculo da vida, é energia que estimula o alcançar de metas, é a energia que divide o solidário e ao mesmo tempo multiplica e transforma o caos em equilíbrio e paz. Mas amor também acaba, também deixa de ser amor.
Respeito é conhecer o amor na sua fonte de origem, pois somente ama de forma verdadeira e completa todo aquele que respeita seu par, seu amigo, seu familiar, seu semelhante sem exigir troca ou pagamento com moeda ou com outra forma de afeto, assim o amor e o respeito, de mãos dadas, representam um casamento perfeito de idéias, de sintonias, de energias, de exercício contínuo na evolução de uma escalada para a felicidade. Contrário é o desrespeito a isso... onde o que predomina é a arrogância do querer continuar com algo que não tem volta.
É importantíssimo estar com os olhos bem abertos para perceber a primeira tentativa (e a segunda, a terceira, etc.) do outro em ignorar nosso desejo, de passar solenemente por cima de nós, de estabelecer uma relação em que não há acordo entre dois, mas a imposição da vontade de um, uma relação cuja base se torna o desrespeito.
Ameaças verbais, falta de compostura, desalinho nas atitudes e falta de critério nas decisões acabam sendo a tônica da desunião. Muitos chegam ao destempero de ridicularizar e tornar público situações que foram compartilhadas a dois quando ainda havia amor.
Imaturidade para enxergar e entender com clareza os fatos ou, simplesmente, má educação acabam por levar boa parte dos que se separam a arrastar para o destempero emocional e verbal também os filhos, familiares e muitas vezes os amigos mais íntimos.
A separação é, sem dúvida, um processo que causa em ambas as partes imensa dor, mas nem por isso é razão para se transformar num palco para falta de consideração, humilhação e desrespeito.
O fato de ainda amar o ex não lhe dá o direito de se impor ou de desrespeitar. O fato de ainda sentir não significa que o outro também sinta. 
Tudo um dia chega ao fim e saber sair é tão importante quanto saber chegar. 
Não faça da sua separação um ringue de forças onde o outro só vai sentir desprezo. 

Positividade!

Quantos sentimentos abrigamos dentro do peito? Quantos deles são positivos? Quais deles alimentamos?  Quantos deuses acreditamos ou maldizemos?
As vezes nos sentimos pequenos, incapazes, sem saída.
São horas de prostração. As horas da comiseração nossa de cada dia.
Ficamos olhando para o que não temos, para os sonhos que não se realizaram. As vezes parece que o mundo é o grande vilão das nossas frustrações, pelos nossos planos que não deram certo.
E ficamos dias, semanas, alimentando esses sentimentos de perda que só servem para estagnar a mente.
Congelamos no tempo.
A vida parece monótona e sem sentido.
Caímos no fosso da autopiedade. A tristeza cega a beleza da vida.
Deixamos de acreditar em nós mesmos. Tudo funciona para os outros mas não funciona a nosso favor.
Pensamentos assim causam dores ainda maiores e sufocam quaisquer tentativas de buscar alternativas. Embora nenhuma oportunidade nos dê garantias de sucesso, isso é um fato!
Mas toda oportunidade nos trará de volta a perspectiva de poder realizar.
Somos capazes de nos reconstruir, de nos impulsionar, nos reciclar.
Não adianta culpar os deuses pelas nossas inatividades! Sim. Ficamos prostrados esperando o dia seguinte, o famoso "depois eu faço" que significa o primeiro passo para o fracasso.
Ficamos alheios ao tempo acreditando que é um aliado. Ledo engano.  O tempo é ágil e exige de nós a mesma agilidade.
Ficar parado olhando o tempo passar e esperando um milagre não vai acrescentar nada, senão a certeza de que continuamos estagnados, com a sensação de que nada vale a pena.
Podemos mudar o que não vai bem, podemos mudar o que nos faz mal.
Mas precisamos mudar em primeiro lugar a nossa mente, aquilo que pensamos e que acreditamos ser o mal... o certo e o errado é uma questão de opinião. Mas, o mal é aquilo que nos impede de caminhar, travando os nossos passos, limitando os nossos horizontes. E a má notícia é que geralmente o alimentamos em abundância.
Sentimentos como tristeza, constante frustração, autopiedade, procrastinação não contribuem para nada, senão a nossa total insatisfação e infelicidade.
Ao usarmos a nossa mente ao nosso favor não aceitamos o pessimismo. Transformamos cada pensamento ruim em possibilidades. Como?
Ao pensarmos que  algo é impossível, passaremos a acreditar que é apenas difícil, mas encontraremos um jeito. É um exercício contínuo, mas que ao se tornar um hábito acaba por funcionar.
Podemos transformar o que não nos agrada, mas precisamos transformarmo-nos primeiro. Parar de culpar o outro por ações e fatos que poderíamos ter evitado já um começo.
Não tentar caber em algo que não é nosso é outro passo. Não querer resgatar aquilo que nos foi tirado, também... se partiu, não era nosso! Não chorar o leite derramado faz com que a vida fique mais leve.
Uma mente positiva atrai coisas positivas.
A melhor oração das nossas vidas consiste em primeiro lugar em
nos abençoar todos os dias.
Agradecer por nossas vidas, saúde, corpo... agradecer por sermos quem somos.
Tantos oram pelos outros e esquecem de orar por si mesmos. Ore por você, do seu jeito, sem palavras decoradas. Assim conseguimos nos reencontrar.
As perguntas são incontáveis, muitas são as dúvidas e queixas, mas todas as respostas estão dentro de nós.
Conseguimos chegar até aqui, mesmo diante de todas as tempestades e conseguiremos avançar ainda mais. Iremos até onde estamos programados para ir.
Todos os obstáculos são fontes de crescimento e amadurecimento. O homem não nasce provido de nada, precisa buscar e aprimorar-se. Só partimos quando alcançamos o que viemos encontrar.
Precisamos manter a mente ativa e alimentar os bons pensamentos, assim mesmo diante de todas as dificuldades e armadilhas da vida, conseguiremos produzir os nossos pequenos e importantes milagres diários.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Diga: Não!

A chantagem emocional é uma poderosa arma de manipulação que pessoas próximas a nós usam para nos ameaçar direta ou indiretamente ou nos punir se não conseguirem o que querem.
Um chantagista pode agir assim por muitas razões. A baixa autoestima pode ser um dos motivos, fazendo com que o indivíduo busque constantemente a confirmação do amor do seu parceiro.O medo de ser abandonado faz com que o chantagista tente adotar uma posição de poder sobre a situação, o que pode parecer muito com a dependência emocional.
A regra de conduta é dizer NÃO a qualquer tipo de chantagem – por mais difícil que possa parecer.
O chantagista se comporta sem um padrão de conduta adequado. Provavelmente não está nada acostumado à frustração, não tolera o “não” e leva a vida sem bastar-se como gente.
A psicoterapeuta Susan Forward descreve quatro tipos de chantagem emocional:
-A primeira é a do bullying emocional usado para inibir a outra pessoa.
–A segunda é quando o chantagista se recusa a dar aprovação e amor ao outro até que atinja seu objetivo. (Pais e mães fiquem atentos a isso).
–A terceira chantagem emocional é a que se baseia na própria dor do chantagista para manipular os outros e conseguir simpatia e aceitação. O famoso fazer-se de vítima.
-A quarta é a do sofredor: sua infelicidade é a ameaça maior que ele usa sobre os outros, colocando os chantageados na posição de responsáveis por qualquer consequência negativa de sua vida.
Mas não é apenas por meio do choro ou da pena que o chantagista consegue o que quer. Ele pode usar outros artifícios, como a ameaça, para causar medo na outra pessoa. Em relacionamentos românticos, por exemplo, uma pessoa pode constantemente ameaçar deixar a outra para conseguir o que quer. Em alguns casos a chantagem pode ser através do poder aquisitivo: Usar o dinheiro como forma de controlar a relação, caso você não tenha a mesma situação financeira que o parceiro.
Ceder ao chantagista é ficar aprisionado num ciclo vicioso; Não se negocia com chantagistas emocionais, não ceda em hipótese alguma ao seu jogo de culpa. Posicione - se de forma firme e decidida, use a razão pra lidar com este tipo de situação.
Não se deixe levar pelos laços afetivos, se houver, até porque, quem ama não desrespeita, seja mãe, pai, irmão, namorado ou qual tipo de relação for.
Portanto, ser do bem não significa ficar à mercê dos caprichos de ninguém. Resista a toda forma de manipulação ou chantagem emocional.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

De Dentro Para Fora

Não temos medo da morte, temos medo da vida!
Abandonamos aquilo que a nossa mente sabota.
Acreditamos em nossos medos, criamos os obstáculos...
Ficamos condicionados as zonas de conforto, como parasitas.
Travamos a nossa mente, eliminamos neurônios, desaprendemos.
Aos poucos vemos refletido a imagem que sempre evitamos, mas que permitimos nos tornar.
Ficamos com medos absurdos e aceitamos tudo como irreversível.
Nada é impossível quando se quer de verdade, quando arde dentro de nós. Nada é tão determinante quanto uma mente acuada... ela trava, ela priva, ela domina!
E os sonhos viram meras ilusões!
Talvez seja o medo de errar, talvez seja o medo de ser feliz!
Quase ninguém sabe dizer o que é felicidade, pois estão todos ocupados com suas tristezas.
É incrível como a dor consegue ser predominante na vida das pessoas... poucos conseguem ver a vida com um olhar otimista.
Muitos viram reféns de religiosos aproveitadores, que sabem da carência destas pessoas... almas em sofrimento constante e que buscam algum conforto, uma palavra de incentivo.
E surgem os "diabos"... seres responsáveis por tudo de ruim que nos acontece!
Seria cômico se não fosse trágico, assistir a humanidade culpando o invisível por suas escolhas.
Somos capazes de virar o jogo, somos autores da nossa história. Podemos mudar tudo se o desejarmos.
Pensar diferente, agir diferente, para resultados diferentes.
Nada será de outra forma se não houver uma transmutação, algo de dentro para fora, como o milho que vira pipoca!
Deixar-se cair na gordura quente e ali se transformar. Deixar que o verdadeiro Ser venha a tona!
E embora não hajam caminhos, poder-se-á encontrar uma saída.
O equilíbrio nos trás a resposta.
Olhe para dentro de si mesmo, vasculhe o seu interior com honestidade... não busque no outro o que está dentro de você, sempre esteve.
Ouça a sua intuição com calma, sem pressa. Avalie tudo até aqui e perceba o quanto da sua vida foi você quem sabotou.
Não deixe que o medo de viver o endureça. Respire bem fundo, devagar. Sinta o ar nos seus pulmões, expire ar e inspire vida!
Retome seus projetos, trace metas, cuide daquilo que enche o seu Ser de sonhos!
Assista um pôr-do-sol... Abençoe a si mesmo.
Crie hábitos diferentes de tudo até aqui.
Mas, acima de tudo e por tudo que já vivenciou; não repita o mesmo erro.
O medo da vida leva à morte!
Portanto, desapegue-se do passado, mire o futuro e viva uma vida cheia de altos e baixos, mas decididamente fascinante!
Crie asas... permita-se alçar voos e o impossível será apenas uma questão de opinião.
Permita-se desvencilhar-se das amarras e sinta-se livre para novas metas, novos rumos.
O mundo gira e você não pode se deixar ficar parado. Mova-se.
Não tenha medo de ser você!
Na pior das hipóteses o que pode acontecer é descobrir que todas as suas convicções não eram nada mais que prisões.
Não tente viver velhas histórias, cheias de mofos e que não deram em nada. Busque viver com o novo, o que fizer seu coração pulsar.
Tire a cabeça da forca e creia que existe uma possibilidade para cada dificuldade, basta manter o olhar mais atento.
Resgate-se de si mesmo. Mergulhe em si próprio. Avalie as suas perguntas e veja as suas respostas. Nada está no outro, está em nós.
Ilumine-se, ore, peça, confie e agradeça.
A benção não vem de fora, está dentro de você.



domingo, 12 de fevereiro de 2017

Daqui pra Frente

Daqui pra frente será cada um por si.
Não quero mais sonhar e me desiludir.
Neste caleidoscópio de ilusões.
Não quero mais saber de ti.
De como vão os teus lençóis...
Quero de você me despir
E caminhar de novo a sós!

Daqui pra frente será tudo como eu quiser
Não vou mais ser a tua mulher
E não vou mais chorar assim.
Quero sorrir a cada segundo
Mesmo que só veja um pouco do mundo
Quero poder sentir, 
Olhar de novo pra mim
E saber que não chegou o fim!

Daqui pra frente... haja o que houver
Não vou mais ser a mesma mulher
Quero ser o que eu quiser!

Pois a vida pode mudar num minuto
E aceito o que não posso mudar
Vou procurar o outro lado de mim
Vou de cabeça, bem fundo
No labirinto do mundo
Dizer pra vida que sim!

A Morte é Eterna

Nada é eterno. Fato!
Sequer a vida é eterna.
Pessoas nascem e morrem. Amam e não amam mais.
Sentimentos mudam, planos deixam de existir,
O que permanece? Absolutamente nada.
Não somos sequer o que um dia pensamos ser.
Metamorfoseamos-nos durante o tempo em que por aqui estamos.
Somente  a morte é eterna.
Ninguém foge dela ou retorna para contar.
Um dia nossos corpos estarão naquela caixa de madeira... inertes!
Foram-se as vaidades, os sonhos...
Apaga-se o brilho dos olhos, escoa-se o sopro de vida.
E nem mesmo este corpo, um dia tão idolatrado; permanece!
Ele vai apodrecer, virar pó.
Aos que ficarem: as lembranças.
E um dia quando todos aqueles que nos conheceram também partirem
Os que vierem, sequer saberão dizer quem fomos.
As novas gerações não se preocupam em saber do passado.
Então, não seremos as lembranças de ninguém.
Nada se eternizou de nós mesmos, senão a morte!
A vida nos ensina que cada dia é um recomeço
Que podemos fazer tudo diferente e como desejamos
Mas é mentira!
Nada do que fizermos irá mudar o destino final.
Ou cremados, ou em mausoléus, ou na terra simplesmente...
Ali será o último capítulo de nós.
E um dia também não será mais... pois o tempo apaga as inscrições.
Somos um sopro!
E estamos todos em contagem regressiva ao eterno!
Nada trouxemos e nada iremos levar...
A morte irá nos encontrar com ou sem dinheiro,
Com ou sem saúde, feliz ou infeliz.
Há quem lamente a perda da vida, há quem não se conforme...
Mas talvez seja esta a única finalidade de estar vivo.
Por isso acordamos todos os dias, tentando cumprir o roteiro
Iludidos na cilada de pensar que temos o controle de tudo...
Mas então, um dia chegamos na última página e
Executamos a última cena.
E mesmo desejando viver um pouco mais...
Partimos!
A vida nada mais é que um roteiro para a eternidade.
Uns partem com pompa, outros como indigentes...
Mas sem excessão, deixamos de habitar o corpo físico
E então, voltamos de onde viemos... rumo ao desconhecido!




domingo, 5 de fevereiro de 2017

Inspiração.

O que dá vida à um escritor  que não seja a escrita?
E por tantas vezes a inspiração some... deixando-nos órfãos por meses e até anos!
Talvez a inspiração seja mesmo sádica e até se divirta em  nos deixar assim.
Olhar o papel e não ter nada a dizer!
Mas então, ela surge! Faceira, cheia de ideias e questões que nos induz a escrever.
E surgem dramas, poemas, reflexões, frases soltas e insignificantes, frases profundas, contextos, resumos, páginas e páginas de algo que julgávamos perdido. E como é bom poder expor tudo isso, mesmo que ninguém leia.
Escrever é algo pessoal. Você com você mesmo. E quando o texto é direcionado a alguém, as vezes nos perdemos nas palavras devido ao tanto que se quer dizer no momento. Nem sempre acertamos o tom, muitas vezes carregamos na tinta! Ou deveria dizer nas teclas?
Na verdade o jogo das palavras é sedutor e com alto poder de destruição. Levanta e faz cair. Acalma e machuca. E alguns pontos finais se tornam reticências, em centenas de páginas que sequer  deveriam ter existido.
Haja entrelinhas!
Nem sempre ser bom com as palavras pode nos garantir um bom entendimento. O que você diz pode ter muitas interpretações.
Ser um bom escritor não lhe dá bons entendedores.
Mas a danada da inspiração só deseja transpor a sua mente... só deseja ser lida seja lá de que jeito for.
Criar um personagem é como ter um filho... você compõe um ser que não existe mas que de alguma forma identificou em alguém.
Esse "SER" é parte de você! Por muito tempo serão um só. Vão chorar juntos, fazer planos, sorrir, viver sonhos que talvez a vida lhe tenha negado, mas que nas linhas de tantas frases e páginas a serem escritas, serão realidade.
E você trará esperança ao mundo. O seu personagem ganhará mesas de discussão, será questionado nas decisões que tomou ou deixou de tomar...
E tudo isso devido a inspiração.
Ela é a única culpada. E ela não diz nada. Fica observando e já criando novos rumos, outros personagens... tantas histórias para contar!
Cada ser humano é um livro a ser contado... sempre será!
Existem histórias que mereciam ser contadas em filme.
Seja lá como for, escrever é abrir a mente para um universo paralelo, cheio de incontáveis possibilidades, onde você é o criador, mas a inspiração é quem manda!

Não se Contente com Migalhas.

Assim como Cazuza, queremos a sorte de um amor tranquilo, com sabor de fruta mordida, queremos sempre todo amor que tiver nessa vida. Essa fome de amar faz o coração clamar todos, todos os dias, faminto. Por vezes austero, o pobre sofre nesse mundo de sabores amargos escondidos em frutas que parecem doces. No meio de tanta fome, alguém oferece migalhas – e nessa de não ter nada para se abastecer, por que, então, não pegamos dessa vez só um pouquinho do sentimento que está ali no prato, de canto?
As migalhas dormidas do teu pão, raspas e restos para o poeta, interessam. Mas não! Por mais que a gente esteja faminto, por mais que cutuque no âmago do coração, não devemos aceitar as migalhas que diversas vezes nos são oferecidas. 
Elas não matam a fome: é bem pior, você sente o sabor, acha que pode ter mais e mais, exige isso, quer se alimentar, quer ser farto, quer se encher de amor até transbordar, mas isso não acontece – e veja só, de quem é a culpa da frustração que vem logo depois? Sua, que sabia que tinham somente raspas e restos e foi no embalo. Fome tem dessas coisas.
Ninguém mata a sede com um pingo de água, ninguém sobrevive com um pingo de amor, mas eu vejo tanto por aí quem tenta, insiste em tirar mais dessa fonte seca, só porque acha que merece isso. Vejo gente aceitando o que outrora enchia a boca pra falar que era inaceitável, fazendo dieta forçada só para estar na moda de não estar sozinho, gente minguando todos os dias porque não vai atrás de um sentimento que faça crescer. Porque tem medo, medo de ficar sozinho, medo de esperar para alimentar-se fartamente.

Escrito por Cristina Souza.

Talvez.

Talvez a chuva lave parcialmente tudo que vivemos
Talvez a água leve os planos que fizemos
Talvez os sonhos sejam outros
Daqui por diante...
Talvez muito de nós nunca se apague
Somente se transforme.
Talvez a chuva arraste as lembranças
E fique tudo mais claro...
Como depois de toda tempestade.
Talvez possamos nos falar sem mágoas
Talvez... quem sabe?
O tempo pode ser um aliado
Ou apenas poderá nos dar aquilo que nunca fomos capazes de ter!
Talvez nos traga a paz.
Sei que tudo é muito recente.
Mas também sei que tudo se supera.
Talvez um dia possamos olhar para trás e ver
Sem o véu do romantismo
Sem a falsa promessa das ilusões que criamos
A verdadeira razão de tudo isso!
Talvez seja esse o recado da chuva
Onde lágrimas se misturam em conflito.
Só  sei que o que foi nunca terá retorno
E o que não vivemos ficou para outro alguém...
E as nuvens lá em cima anunciam novas torrentes
Talvez mais provocantes, mais ácidas
Não sei...
Haja o que houver
Venha o que vier...
Estaremos prontos ao novo
Pois assim é a vida
Que renasce a cada dia sem a nossa permissão
E em meio ao caos de tantas dúvidas
Sei que the last time...
Foi a  última vez!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

É Uma Dor...

É uma dor.
Dói somente
Não há como explicar
Somente se sente.
É como dor física
Vai entrando na gente
Toma conta
Sufoca. Espreme!
É uma dor.
E dói tão somente
Que até o corpo inteiro, sente!

É uma dor
Ás vezes até tênue
Mas acumula
Enfuna. Cresce!
E não se explica
Pois é dor
Por isso sente...

Vai queimando
Percorrendo dentro da gente
Invadindo, Devassando
Arrancando o que não se pede,
É uma dor
E punge, E agride. E fere.
E tão somente se sente!

É uma dor...
E dói feito ferida
Daquelas que não cicatriza
E dói, na alma da gente
Dor que não passa
Abriga na mente
Corrói. Distorce. Dormente.
É uma dor
E tão somente
Essa dor
Que não se explica
Deveras, sente!



Tanto Faz...

Há sonhos que o vento leva
E sonhos que o tempo trás
Tormentos que não se espera
E alegrias que o vento desfaz!

Há lembranças muito queridas
E lembranças que tanto faz
Algumas são revividas
Outras tiram a paz!

Há desejos que são saciados
E desejos que ficam pra trás
Esquecidos num lapso da vida
No tempo que não volta mais...

Tantas horas foram perdidas
Nos anos agora pra trás...
Em palavras nunca sabidas
Nas bocas caladas demais!

Há de tudo nessa vida
Entre amores e partidas
Entre as idas e vindas
No vento ou no tempo
E tanto faz!



sábado, 28 de janeiro de 2017

Não ser Obrigada...

Ser assertivo é conseguir expressar sua posição a respeito de algo, sabendo não estar certo nem errado, apenas convicto de sua escolha.
Nós temos o direito de “não querer”. Não querer conversar, não querer ir, não querer ver ou fazer. O fato de alguém querer algo de nós não nos obriga a aceitar. É prepotente quem acha que pode insistir para que façamos algo ou mudemos nossa opinião por pressão ou obrigação.
Acho cruel obrigar e ser obrigado a qualquer coisa nessa vida – mesmo sabendo que passaremos por isso algumas vezes – e acho mais cruel ainda as relações nas quais não podemos dizer e nem agir de modo sincero e transparente. É egoísta quem quer ver sua vontade satisfeita, porque no fundo não está ligando a mínima para o outro, nem o respeitando como semelhante.
Os tempos atuais pedem tolerância e espaço para que cada um tenha e expresse a sua opinião. É preciso respeito ao outro e ao seu modo de ver o mundo. Entretanto é preciso respeitar quando não pedem e nem se interessam pela nossa visão dos fatos. O exercício da assertividade pode nos ajudar na ação e aceitação, resultando no convívio social mais sadio.

Psicóloga, psicoterapeuta, especialista em comportamento humano. Escritora. 

Gaiola!

Eu ando calada,
Diria que estou pensativa
Penso em nada
Penso em tudo da vida.

Ando anestesiada
Pelas dores, nunca antes sentidas
Ando calada, ando contida.

Tenho pensado em quase nada
Por sentir mais que deveria
Tenho a alma desencantada
Perdi parte de minha alegria.

Ando engaiolada
Numa redoma, oprimida
Onde o choro, nos olhos; resvala
A tristeza que sinto na vida.

Tristeza que não me abandona
Vai me abraçando, assim
Nos dias de chuva, chorosa
Nos dias de sol, por fim!

Ando calada, entocada em gaiolas
Pequenas caixas, por dentro assim...
Num sopro de riso, esmolas
Do que fui, do que sou, sem  mim!

Sobre ser Feliz!

Sete bilhões de pessoas no mundo e nunca conheceremos sequer um milionésimo delas!
Não saberemos suas histórias, seus sonhos, seus dramas, sucessos e fracassos... Nunca.
Rostos desconhecidos num mundo globalizado, mas sem conexão de laços.
Talvez sequer saibamos quem são os nossos vizinhos. Já não sabemos quem são os nossos parentes...
Estamos vivendo uma Era estranha... uma Era em que vemos tudo, sabemos de tudo, mas não somos íntimos de ninguém.
O mundo anda solitário!
E tudo o que estes sete bilhões de pessoas desejam é ser feliz!
A grande dificuldade está em encontrar uma forma de realizar esse desejo... 
As vezes perdemos tanto tempo que a felicidade passa e a gente não vê, não sente.
Tenho visto olhos acabrunhados, sorrisos amarelados, passos dados em falso.
Talvez seja devido o consumismo humano que transfere o essencial para o supérfluo. E tudo fica tão descartável que não há tempo hábil para repor. Como um vício que precisa estar sempre saciado, para trazer alívio a dor.
Vejo a fome em mesas fartas! Carros de luxo, carregando pessoas de lata!
A insensibilidade daqueles que na verdade sentem medo de sentir... olhos vazios de si mesmos, numa cruel ilusão de que está tudo bem.
Nada está bem! Nada!
Se o riso não é frouxo, se o riso não vem de dentro... nada vai bem.
Nenhum hotel cinco estrelas é capaz de dar alegria a uma coração contrito.
As gaiolas são prisões onde o canto é só lamento, pela liberdade que se perdeu. 
Assim como aquele que sorri sem vontade, finge uma alegria que não conheceu... eis a vida! Assim é o ciclo da infelicidade.
Sete bilhões de pessoas no mundo... quantas delas são de verdade?

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Monogâmico

Quem dera ser um cisne e assim, navegar juntinho com você
Entre os lagos... 
Construir o nosso ninho, unir os bicos em afagos!
Sendo fiel ao amor para sempre...

Quem dera ser como os lobos, fiéis e leais um ao outro
Correndo livres...
Numa alcateia de amor, só nós dois!

Ou quem sabe, como a águia-careca... 
Voar bem alto ao teu lado
No tempo do acasalamento,
Unindo nossos corpos em casamento
Num único voo, apaixonado...

Monogâmico, sim monogâmico
Como baratas, intrigantes...
Embora repugnantes, 
Ajuntam-se uma só vez!

O albatroz tão conhecido...
Voa para longe é verdade
Mas retorna ao parceiro, fiel e criativo
Em sua dança de castidade
No amor é verdadeiro
Na vida é pássaro errante!

E como as araras que voam juntas
E juntas são para toda a vida
Quem dera ter você 
Na monogamia de todos os meus dias!

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Porto Seguro...

Pega a estrada e vai além...
Além Paraíba, talvez
Norte ou Sul de Minas? Não sei
Vagueia por ai, entre as estradas
E me diz onde a manga é mais doce
Talvez se pegar madura no pé
Entre tantas pelo caminho...
Pode ser caída no chão
Ou vendida no baldinho
Liga o rádio do carro
Acelera mais um pouquinho,
Pois a estrada é sinuosa
Convidativa para um louco!
Traiçoeira para um soninho...

Pega a estrada outra vez...
Dirija de alma leve
Sentindo que a vida é breve!

Vai pelas curvas, ansiosa por chegar
Teófilo Otoni ou qualquer outro lugar...
Tantas cidades, tantas histórias
Coisas boas para lembrar
Teixeira de Freitas ou Eunápolis
O importante é alcançar.
Porto Seguro, sua linda
Em suas águas quero estar!

E chupa manga pela estrada
Vai correndo até a balsa
Para Belmonte conhecer
Sentir as águas cálidas de Candeias
E ver ali o entardecer!
Mas antes tem a Praia do Rio Preto
Com seus coqueiros perfilados
Numa estrada quase deserta
E cheia de buracos!

Vai ao longe com sorriso
Conhecer outros lugares
Como a Praia do Espelho
Arraial d'Ajuda ou Taípe...
O Quadrado mais retângulo
De paisagens tão incríveis!

Trancoso, que bonito...
Tão tranquilo que enternece
Águas quentes, povo amigo
Que a gente nunca esquece!

E sem dinheiro, vamos ao longe
Visitar o Centro Histórico...
Convidam para uma entrevista
E tudo que se quer é bônus! __ (Voucher)
Nunca antes tinha dito
O quanto é bom oitenta reais...
Você come sorrindo
E vão pensar que é loucura
Mas virou dona sem grana
De uma doce aventura!

Tantas histórias poderia contar
De uma viagem assim
Sem nada acrescentar de inverdades
Mas quase ou ninguém acreditaria
Na loucura que é a insanidade
De dirigir por dezessete horas
Para ser feliz!

Corre, corre... Já é hora de partir
Faz as malas, entrega as chaves
Anda logo, se despede
Parte agora, mas o coração fica ali
A estrada é muito longa
Corre, vê se não demora
Vai embora!
Mas a emoção não se despede
Pois vai contigo na memória!

Porto Seguro, sua linda
Muito obrigada pela acolhida
Fui feliz em suas águas
Mas feliz serei ainda!


Saudade!

Do que você sente saudade?
Eu sinto saudade do que não vivi
Dos abraços que não troquei
Dos sonhos que não sonhei
Dos beijos que não senti!

Eu sinto saudade dos dias que não verei
Das risadas que deixei de dar
Do mundo que não conheci
Dos dias que me deixei chorar!

Sinto saudade de mim
Da menina que eu fui
Da lembrança que não terei
Do muito que não tive
Dos amores que não amei!

Saudade... ah, saudade eu tenho sim
Dos anos encurtados
Por aceleração da velhice
Onde não mora mais o pecado
Por revelar-se a sandice
Onde todo dia é menos um dia
Até que chegue o fim!

Auto Estima

Ponha um ponto final!
Destitua tudo aquilo que não te faz bem. Não protele, não permita  que o mal faça ninho.
Não deixe que o emaranhado de galhos se justifique criando raízes impenetráveis, até que você sufoque em solidão.
Não dependa de ninguém, senão de si mesmo!
Evacue os seus medos e dê a si mesmo o álibi da atitude.
Enfrente o dia e a noite com a mesma vontade.
Não será fácil, não será indolor, mas será algo que irá libertar a sua alma.
Viver não pode ser algo amargo.
Chore, chore muito, mas de felicidade, de prazer, de vida!
Faça com que o seu riso seja um riso espontâneo, como gargalhadas bem altas!
Não sorria por conveniência. Não diga que está tudo bem, se não está!
Não faça o outro feliz somente por não querer contrariar!
Exponha a sua agonia e se não aceitarem, esqueça!
Não eram dignos da sua dor, então não serão dignos da sua alegria!
Viva por inteiro, faça o que tiver vontade, faça sozinho, faça!
A pior morte é aquela que nos mortifica a cada dia, na esperança de que vão saber diagnosticar a nossa carência ou a nossa tristeza!
Ninguém nota. Ninguém vê, senão aquilo que interessa a cada um.
Você é um ser único, não há pessoa igual  no mundo... então, seja!
Conheça-se! Entregue-se a reflexão das suas necessidades...
Não espere que o outro venha lhe socorrer, não virá!
Socorra a si mesmo!
Veja o seu reflexo no espelho e note se há ali o que você sente por dentro...
É veneno ou antídoto? É luz ou escuridão?
Há pessoas que possuem sensibilidade com tudo ao seu redor, menos com o ser amado.
São cegas por estarem compenetradas na felicidade delas mesmas!
Pouco importa se o outro está feliz desde que ali esteja!
Não se permita ser propriedade de ninguém.
A vida é sua, a decisão é sua, o caminho é seu!
Você pode tudo o que quiser, com quem quiser e se não quiser também!
Isso é liberdade: poder decidir! Poder escolher e ser feliz com o que fez de si mesmo.
Correntes nunca fizeram ninguém chegar a lugar algum
Destrave os seus pés, liberte o seu coração, ilumine a sua mente
Deixe o outro ser o que ele veio para ser na Terra e viva com ele com a mesma liberdade que deseja para você!
Temos uma única vida e todos os momentos são eternos se os eternizarmos na lembrança
Mas nada é tão sublime quanto amar a si mesmo.
Talvez ninguém entenda o texto... talvez achem confuso
Mas não é para entender, é para apreciar a essência do significado
E tudo é tão simples nestas palavras que eu resumiria assim: Auto estima!