Desrespeito não é Amor!

Amor não se compra, não se vende, não se negocia, é sentimento puro e soberano, é autêntico ou não existe, é real e não imaginário, é atributo do ser humano, é energia que fala, que sente, que movimenta o círculo da vida, é energia que estimula o alcançar de metas, é a energia que divide o solidário e ao mesmo tempo multiplica e transforma o caos em equilíbrio e paz. Mas amor também acaba, também deixa de ser amor.
Respeito é conhecer o amor na sua fonte de origem, pois somente ama de forma verdadeira e completa todo aquele que respeita seu par, seu amigo, seu familiar, seu semelhante sem exigir troca ou pagamento com moeda ou com outra forma de afeto, assim o amor e o respeito, de mãos dadas, representam um casamento perfeito de idéias, de sintonias, de energias, de exercício contínuo na evolução de uma escalada para a felicidade. Contrário é o desrespeito a isso... onde o que predomina é a arrogância do querer continuar com algo que não tem volta.
É importantíssimo estar com os olhos bem abertos para perceber a primeira tentativa (e a segunda, a terceira, etc.) do outro em ignorar nosso desejo, de passar solenemente por cima de nós, de estabelecer uma relação em que não há acordo entre dois, mas a imposição da vontade de um, uma relação cuja base se torna o desrespeito.
Ameaças verbais, falta de compostura, desalinho nas atitudes e falta de critério nas decisões acabam sendo a tônica da desunião. Muitos chegam ao destempero de ridicularizar e tornar público situações que foram compartilhadas a dois quando ainda havia amor.
Imaturidade para enxergar e entender com clareza os fatos ou, simplesmente, má educação acabam por levar boa parte dos que se separam a arrastar para o destempero emocional e verbal também os filhos, familiares e muitas vezes os amigos mais íntimos.
A separação é, sem dúvida, um processo que causa em ambas as partes imensa dor, mas nem por isso é razão para se transformar num palco para falta de consideração, humilhação e desrespeito.
O fato de ainda amar o ex não lhe dá o direito de se impor ou de desrespeitar. O fato de ainda sentir não significa que o outro também sinta. 
Tudo um dia chega ao fim e saber sair é tão importante quanto saber chegar. 
Não faça da sua separação um ringue de forças onde o outro só vai sentir desprezo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Sobre Abraços...