domingo, 30 de abril de 2017

Para Minha Mãe

Ah, minha mãe... que saudades de você!
Queria deitar no seu colo agora
Sentir o seu toque nos meus cabelos
A segurança doce e firme dos seus carinhos...
Ah, minha mãe...
Os anos passam mas a saudade continua!
Que vontade de contar tantas coisas a você...
Dizer o quanto os seus conselhos me fazem falta!
Queria dar um abraço bem gostoso...
Daqueles que não se tem mais vontade de sair.
Ouvir o som compassado do seu coração!
Você se foi tão cedo...
Tantas coisas que não foram ditas
Os netos que não conheceu...
Os risos que nunca mais deu!

Ah minha mãe... que saudades eu sinto!
Belas tardes de domingo... tantas alegrias...
Eu queria dizer o quanto lhe sou grata
Por tantas coisas que hoje eu aprendi...
Você me ensinou a ser forte, no momento em que partiu!
E sempre que me lembro dos seus olhos
Sinto como se ainda cuidasse de mim!
Acho que herdei sua alegria... seu riso alto e satisfeito com a vida
Quando de repente cantarolava na cozinha...
Tantos cheiros ainda sinto
Nessas lembranças de você e de mim!
Seu aniversário tão pertinho do meu.
Noites de Natal, sapatinho na janela...
Coisinhas simples, coisinhas nossas!

O tempo passa, o tempo voa...
O tempo levou o seu corpo
E eternizou as nossas vivências.
Andei no mundo, meio perdida
As vezes fui santa, outras vezes bandida
Mas, de toda experiência vivida
Não esqueci da sua partida!
Ah minha mãe... bom seria se aqui estivesse
E nesse momento pudesse
Afagar os meus cabelos
Hoje não tão longos quanto foram um dia
Nem tão pretos como você gostaria
Mas tão carentes quanto
De um afago seu com alegria!





Aprendizagem.

Os piores momentos da vida passamos sozinhos!
No interior de nós mesmos.
Perdidos em pensamentos, em sentimentos conflituosos, sem chão, sem rumo, desorientados.
Ficamos na corda bamba literalmente.
Ninguém saberá descrever a nossa dor, por que a dor de cada um é diferente...
Não adianta chorar, por que até mesmo as lágrimas um dia cessarão.
O turbilhão de emoções e sentimentos também.
Passaremos pelo vazio de nada sentir, por não saber exatamente onde estamos na vida.
Ficaremos olhando o passado como se pudéssemos encontrar todas as respostas...
Ledo engano. Não há como responder no momento.
Só muito mais tarde é que saberemos o que houve... ou não!
Nem tudo na vida tem explicação.
As vezes só tínhamos que passar por aquilo como aprendizagem, crescimento, evolução.
Queimar o karma!
Talvez tenhamos mesmo é que olhar para frente, traçar outros rumos, criar metas.
Aprender que o curso diário é somente um dia após o outro.
Nada será da mesma forma ou semelhante.
O modo como escolhemos amar é o modo que atraímos o amor...
Então, que façamos as escolhas certas... com mais serenidade, com mais leveza.
Todo o redemoinho de hoje vai cessar! Assim que escolhermos de fato o botão do: Basta!
O coração vai aquietar, a mente vai se expandir, os pensamentos vão se ordenar...
Por que tudo passa!
A desordem íntima também.
Isso vale para perdas por morte e para perdas em vida!
Nós somos os únicos a permanecer... com feridas, com mágoas, com perguntas insolúveis, com teimosias desnecessárias... perdendo tempo com o que deixamos de viver.
Quando nos dermos conta da realidade, quantas coisas teremos perdido?
Então, o que  interessa de agora em diante é seguir em frente, de modo mais assertivo, sem tantas ilusões, com o pé no chão e a cabeça erguida.
Todos os dias é possível fazer coisas novas.
A pessoa mais importante de nossas vidas somos nós mesmos.
Assim como a água de um rio não passa pelo mesmo lugar duas vezes, assim deve ser a nossa aprendizagem na vida... não repetindo os erros.
Erre. Erre bastante, mas erre, erros diferentes!
Tome o prumo, acerte o rumo!
A vida pede que sejamos inabaláveis, mesmo quando sentimos que nos falta o chão... temos que trilhar os árduos caminhos do destino, entre armadilhas e abismos.
Não adianta nos vitimizar. Temos que tomar o leme nas mãos e enfrentar as tempestades como se fossemos mais fortes do que pensamos, pois o seremos!
Não adianta insistirmos em sermos observadores apenas, pois somos os protagonistas de nossas vidas, fazemos parte da cena.
Está em nossas mãos escolhermos naufragar ou ajustar as velas.
Temos que ajustar o binóculo para dentro de nós mesmos... enfrentar os monstros interiores de frente e eliminá-los.
Criamos a força através da dor.
Assim nascemos... sozinhos, imbuídos pela dor do parto, no afã de vermos o mundo e conseguimos!
A vitória trás histórias e toda história trás emoção!
O que nos acontece hoje é somente um preparatório do que nos aguarda amanhã.
É nessa solidão, onde nos vemos mais de perto. É assim que entendemos as nossas potencialidades.
Em quase todos os momentos da vida estaremos sozinhos, principalmente quando tivermos que aprender algo sobre nós mesmo.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Desapego

Não acredite nas suas mentiras
Aquelas velhas certezas as quais se apega para justificar seus atos.
Amor não correspondido é nulo!
Não perca seu tempo tentando recuperar o que nunca existiu.
Se não viveu, não era seu!
Desapegue-se do ego que insiste em tentativas insistentes e dolorosas.
Tenha amor próprio!
Ninguém ama quem não se ama!
Pare de justificar suas intenções, com desculpas e variantes do mesmo!
Não existe nada pior que o engano!
Não engula mais estes sentimentos... desapegue-se!
Pare de insistir e verá que existe outras possibilidades.
Pare de dar crédito ao seu ego ferido, onde você quer acreditar que seria possível.
Não seria! Não será!
Ninguém é obrigado a estar contigo se não quer
Quando há reciprocidade, quando há vontade, as coisas se resolvem por si só.
Não minta para si mesmo... Não!
Aceite que a vida é feita de ciclos e que você está perdendo oportunidades, por insistir numa velha história.
Olhe para a vida pelos olhos da razão.
Veja o quanto foi perdido, o quanto está a perder.
Tempo é algo que não volta.
O que se sente pode ser transmutado, modificado, desde que se queira.
O outro não vai ceder só porque você assim deseja.
Ele não sente, ele não quer!
E ao parar com o apego você perceberá que melhor do que estar com ele, é saber que está bem!
Se você não está bem é porque optou por estar apegado.
Felicidade é algo que se sente só, para então, sentir ao lado de alguém.
Se você não é a sua melhor companhia, esquece!
Ninguém poderá lhe dar o bem estar interior.
Se é isso o que sente ao lado do outro, não é amor! É apego.
Você se apegou ao que o outro representa. A figura que você admira e que gostaria de ser!
Pare! Você é único! Você tem o seu valor!
O seu mundo exterior reflete o que você sente... portanto, se você está confuso, perplexo ou com a ideia fixa, então saiba que precisa encontrar seu equilíbrio.
Não se engane mais.
A escolha em continuar se iludindo, fingindo que uma hora dá certo é sua... mas saiba que as consequências também!
Ouça a sua razão. O coração é traiçoeiro.
O coração vê com olhos da ilusão...
Pare, ouça sua voz interior, aquela voz verdadeira que lhe diz exatamente aquilo que você não gosta de ouvir, mas que é a real.
Procure outros ares, reveja padrões, observe-se!
Você pode conquistar tudo que desejar, mas não pode impor aos outros a sua vontade.
Existe alguém lá fora a sua espera... em algum lugar!
Desfaça-se do apego excessivo no que somente lhe trás amarguras e frustrações.
Não atraia para si o que nunca será seu!
Aprenda das experiências!
Não repita o mesmo erro tantas vezes numa única história. Evolua!
Você está aqui para isso!
A obstinação por algo ou alguém é nociva.
Afaste as mentiras que a sua mente inventa a respeito do assunto e olhe para a vida como ela é.
Ninguém vai te amar se você não amar a si mesmo.
Pare de sentir medo, saia da zona de conforto.
Saia do comodismo da ideia de que só será feliz com fulano, é mentira!
Você já foi feliz sem ele!
O que acontece hoje é o ego ferido, o orgulho, o fato de não aceitar...
Você nem era tão feliz assim... havia sempre insatisfação, as mentiras que dizia a si mesmo para acreditar que um dia seria como sonhava.
Nunca foi!
Aceite o fim do ciclo, para que o novo possa vir.
Transfira o seu pensamento, transfira o seu sentimento...
Como quando alguém morre e temos que sobreviver, da mesma forma é com quem um dia nos deixou.
As pessoas partem, nós ficamos!
E não adianta querer algo que não se concretiza.
Você está perdendo a sua vida.
E a energia que você emite é a mesma que irá te acompanhar.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Mantra!

Eu quero
Eu posso 
Eu consigo!
Eu já tenho
Eu tomo posse
Eu entrego ao Universo
Eu recebo
Eu aceito
Eu agradeço
Eu mereço!
E a vida flui como o reflexo daquilo que se tem na alma
Exprima seus bons sentimentos
Sinta a brisa como carícia
Veja a vida!
Aceite o que não pode mudar
Mude o que conseguir
Seja leve!
Cumpra os ciclos.
Feche as portas que não levam a lugar algum
Recomece de onde está
Não olhe para trás, você não está mais lá!
Nada será como antes, nunca!
O filme perde o glamour quando visto várias vezes
Hoje é o dia!
A vida é agora.
Crie o seu dia feliz,
Viva-o!
Contemple a si mesmo
Veja a fagulha Divina em si mesmo
Experimente ser o que o seu pensamento cria
Dê chances a si mesmo
Ame-se!
A vida retribui conforme você constitui.
Os sonhos são seus
O inferno também!
O paraíso é uma questão de ponto de vista.
Eu posso e mereço o que eu crio e entrego ao Universo
Um mantra nada mais é que a afirmação do inconsciente
Sobre as possibilidades que desejamos.
Somente o que é nosso permanece em nossas vidas!
Desapegue-se!
Descubra-se! 

Vejo Você!

Eu vejo você...
Nas linhas sinuosas de cada montanha
Nas tardes frias de inverno
Nos verões de muitos risos
Eu vejo você!
Vejo seu olhar pra mim
Toco a sua pele um instante
Tão tênue que foi somente miragem
Eu vejo seus cabelos voando ao vento
Sua boca articulando palavras
E é como um filme bom
Faço carícias sem nenhum toque
Sinto a pele arrepiar
O frio doce no estômago...
Eu vejo você em mim
A cada reflexo meu num espelho
São os teus olhos que eu vejo.
A sua voz é a melodia mais premiada
Um assopro de alegria
E eu sorrio mais feliz
A cada vez que vejo você
Numa esquina qualquer
Como um fantasma a me acompanhar
Um milagre que sinto acontecer todos os dias
Eu vejo você
E não preciso de fotografias
Vejo na doçura dos meus próprios olhos
Nos sonhos que ainda não esqueci
Nas tarde de sol numa praia qualquer
Vejo o amor que ainda sinto
Nas belezas que me acompanham.
Vejo você!

Devaneio

Sinto pungente e pulsante a vida que corre em minhas veias
Como o vento que corta entre folhas e florestas
Num arroubo de paixões!
Sinto a pele fria, o riso largo
A mente sã! Sinto a noite, vejo o dia
Vivo entre estradas sinuosas
De muitas vidas
Muitas idas
Entre curvas, dias, partidas!
Sinto o gosto do vinho dos teus lábios
Nos suores que trocamos entre os lençóis...
Virginal, visceral!
Urgente... Carnal, indecente
Sinto o pungente de nós
Entre muitos sóis, muitos nós!
É a vida que urge em minhas veias
Nos desencantos e prantos
Nos abraços ternos e apertados
Nos risos soltos,
Na beleza dos teus olhos!
Carnal... pungente
Valente e fraternal.
Como a lâmina que corta o pulso
Como a estrada que não chega ao fim
Sou eu:  Assim...
Neste meio de tudo
Confuso, perdido, dentro do casulo
De tu, de mim...
Sinto... como a água que molha o teu corpo
Dourado, seminu... delicado!
Num devaneio talvez.
Num louco e delirante desejo de nunca partir!