Sobre Perguntas e Respostas

Passei  muito tempo na vida acreditando em coisas como se fossem absolutas.
Desperdicei tempo e energia com crenças limitantes, as quais eu achava que estavam certas.
Encontrei gurus, mestres, doutores... todos cientes de técnicas e culturas as quais eu também poderia saber ( se o que eu estivesse procurando não fosse a comodidade das respostas).
Sim, é a verdade.
Fiquei por muito tempo na comodidade das respostas prontas. Esqueci ou simplesmente ignorei as minhas perguntas. Era melhor saber pelos outros aquilo que eu mesma poderia obter como resposta dentro de mim.
E assim caminhei até não suportar a vida que estava tendo.
As respostas alheias não eram as minhas!
Essa é uma verdade Universal!
Ninguém poderá lhe dizer como agir, como sentir, como pensar.
As perguntas dos outros tem respostas para os outros, não para você!
Cada um de nós somos únicos e por este motivo somos tão diferentes.
Temos necessidades diferentes. Somos seres com individualidade e necessidades diferentes, mesmo que passemos por situações tão iguais.
Cada um será motivado, testado e responsabilizado diferentemente do outro.
O mínimo que o outro poderá nos trazer será uma outra visão sobre determinado assunto; o resto, seremos nós que decidiremos como, quando e até quando.
Fico observando as pessoas ao redor e percebo suas vulnerabilidades... todas carentes de serem apenas ouvidas. O grande erro consiste em não sabermos apenas ouvir! Queremos dar respostas.
E assim, muitos de nós nos enganamos ou nos deixamos enganar.
Os nossos olhos anelam aquilo que nos é conveniente.
Nem sempre encarar a verdade é realmente aquilo que desejamos.
A ilusão é doce, é suave, é um carinho ao nosso ego.
A ilusão nos permite ficar no comodismo.
Esquecemos que também podemos! Também somos capazes! Também temos sonhos.
Mas, a ilusão nos dá a sensação de que estaremos felizes pelos sonhos dos outros... ela nos envolve e seduz com perspectivas alheias.
E foi isso que eu vivi por muito tempo. Vendo com os olhos dos outros, o mundo dos outros, pensando que eram meus.
Vivi na doce ilusão das respostas dos outros ao que acreditava serem para minha vida..
E acordar para a realidade é como uma queda livre!
A gente vai percebendo tanta coisa... pequenas coisinhas! Meras coisinhas, mas que eram de total importância ao nosso EU.
Então, fui percebendo o quanto de mim foi perdido pelo caminho.
Não é que a experiência dessas vivências tenham sido ruins, não!
Apenas serviram como uma imensa volta dentro de uma estrada que poderia ter sido mais reta, mais coesa, mais direcionada, menos encruzilhadas.
Serviram para agregar conhecimento, e isso é um fato inegável. Mas, também causaram danos.
Talvez eu veja isso devido a maturidade, não sei.
Mas fazendo uma releitura de mim mesma, percebo que poderia ter feito diferente em muitos aspectos.
Hoje, essas crenças limitantes deixaram de existir e eu respondo as minhas perguntas, sendo certas ou erradas... não importa. São as minhas respostas que valem para mim.
O outro é só o outro.
Ele também está numa caminhada e terá as respostas dele.
O que ficou de lição é que daqui pra frente tudo que eu quiser saber, encontrarei caminho dentro de mim. Mesmo que isso signifique outras vivência não tão agradáveis.
No final é tudo dentro da gente!
E colocar cada assunto no devido lugar demanda tempo e energia.
Introspecção e autoconhecimento são chaves mestras para discernir o árduo caminho de si mesmo.
Portanto, não busque no outro aquilo que você pode encontrar como resposta na sua consciência, mesmo que inconsciente.




Comentários

  1. Amei ! O texto é muito inspirador.

    ResponderExcluir
  2. Amei ! O texto é incrível e inspirador demais.

    ResponderExcluir
  3. Amei ! O texto é muito inspirador.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada por seu comentário! Mia Malafaia!

Postagens mais visitadas deste blog

O Homem morre quando deixa de Sonhar!

Por Um Fio